O País – A verdade como notícia

FMI prevê agravamento de preços no país de 9% este ano

Mesmo com os efeitos nefastos da guerra na Ucrânia, a COVID-19 e o terrorismo em Cabo Delgado, o Fundo Monetário Internacional mostra-se optimista em relação ao crescimento da economia nacional. Para este ano, prevê que Moçambique cresça 3.8%, depois do registo de 2,2% no ano passado.

Para os próximos anos, a perspectiva de crescimento da economia nacional é ainda melhor, ou seja, o FMI espera que o Produto Interno Bruto de Moçambique (PIB) aumente na ordem dos 5% em 2023 e 13.1% em 2027, a maior subida já registada desde o ano 1987.

Entretanto, a instituição financeira internacional prevê um agravamento do custo de vida no país, estimando, assim, uma subida generalizada do nível geral de preços na ordem dos 9% este ano, contra as estimativas do Governo que, apesar da subida dos combustíveis, ainda apontam para 5,3% este ano.

Para o próximo ano, o FMI prevê um recuo da subida dos preços para 7%. Estes dados constam do mais recente relatório da instituição, intitulado “World Economic Outlook”, divulgado esta terça-feira.

Devido ao impacto directo da guerra na Ucrânia, associados às sanções impostas à Rússia, o Fundo Monetário prevê ainda que a economia mundial cresça 3,6% neste e no próximo ano. Já para a África Subsaariana, espera-se um crescimento económico de 3,8 e 4,0 este ano e em 2023, respectivamente.

 

FMI PREVÊ AGRAVAMENTO DAS PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO ECONÓMICO DE 4,4% PARA 3,6%

As perspectivas de crescimento global agravaram-se significativamente devido aos efeitos combinados da inflação, guerra na Ucrânia e pandemia persistente, anunciou ontem (18 de Abril), o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Estes impactos são descritos no relatório World Economic Outlook, divulgado no início das reuniões de Primavera do FMI e do Banco Mundial em Washington DC, pelo novo economista-chefe, Pierre-Olivier Gourinchas.

“Bem, há uma redução significativa nas nossas projecções de crescimento para a economia global de 4,4% em Janeiro para 3,6% na nossa última actualização, ou seja, 0,8 pontos percentuais de diferença. Há três razões principais para este rebaixamento. Primeiro, a invasão russa à Ucrânia, que está a aumentar os preços da energia e das mercadorias em todo o mundo e está a conduzir a menos produção e a mais inflação. A inflação é mais elevada na maioria dos países, e espera-se que persista por mais tempo. Além disso, temos um abrandamento da economia chinesa com bloqueios mais frequentes devido à Omicron que está a pesar para baixo e depois também pressões elevadas sobre os preços em muitas partes do mundo ou bancos centrais líderes para apertarem os controlos da política monetária”, disse Pierre-Olivier Gourinchas, economista-chefe do FMI.

Segundo Gourinchas, os riscos globais para as perspectivas económicas aumentaram acentuadamente e os compromissos de política tornaram-se cada vez difíceis.

“Bem, há uma série de riscos negativos importantes para a nossa previsão. Primeiro, deixem-me começar pela própria guerra. O conflito pode escalar, as sanções podem tornar-se mais amplas, e isto é claramente o que pesaria sobre a actividade económica. Em segundo lugar, as pressões inflacionistas estão a acumular-se. Em alguns países, como os EUA, a inflação está no nível mais alto dos últimos 40 anos. Existe o risco de isto poder persistir e exigir uma acção mais enérgica por parte dos bancos centrais, que pesaria sobre a produção e a actividade económica. Em terceiro lugar, a pandemia da COVID 19 ainda está entre nós. Poderíamos assistir ao aparecimento de novas variantes resistentes às vacinas que causariam mais lockdowns e perturbariam as cadeias de abastecimento globais. Em quarto lugar, poderíamos ter, no contexto do aperto das taxas de política em todo o mundo, poderíamos ver também mais instabilidade financeira. Muitos países poderiam descobrir que os fluxos de capital se esgotam, as moedas poderiam começar a desvalorizar-se. Esta instabilidade financeira é outro factor. Por último, temos também o potencial de agitação social dado o aumento dos preços da energia e dos alimentos em muitos países”, acrescentou Gourinchas.

Mesmo quando os decisores políticos se concentrarem em amortecer o impacto da guerra e da pandemia, a atenção terá de ser mantida em objectivos a mais longo prazo, pelo que o FMI aconselha os decisores políticos, primeiro, a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para acabar com a guerra agora. Além disso, sugere que devem pensar na política monetária, na política fiscal e na política de saúde.

Aos países onde a situação sanitária o permite, o FMI sugere a retirada do apoio que foi posto em prática nos últimos dois anos, e depois abordar as populações vulneráveis, implementar políticas específicas e temporárias que as ajudarão a enfrentar preços mais elevados para os alimentos e a energia. Isto pode assumir diferentes formas, sob a forma de descontos nas facturas de serviços públicos, sob a forma de subsídios aos preços dos alimentos e da energia, desde que sejam temporários e existam cláusulas claras de caducidade, e que todas estas políticas estejam inscritas em quadros fiscais, quadros fiscais de médio prazo, de modo a assegurar a sustentabilidade fiscal.

Por fim, em matéria de política de saúde, precisamos de implementar um conjunto abrangente de ferramentas com monitorização, testes, vacinas e tratamentos para garantir que todos os países possam emergir da pandemia da COVID 19.

“E isto exigirá também que os doadores internacionais completem o financiamento das ferramentas internacionais que colocamos em prática com necessidades de financiamento que rondam os 23,4 mil milhões de dólares”, concluiu Gourinchas.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos