O País – A verdade como notícia

FMF já pensa no futebol pós-Covid-19

O Departamento Técnico da Federação Moçambicana de Futebol apresentou três cenários possíveis de como será a época futebolística nacional após o Covid-19. O primeiro prevê que a época termine em Dezembro deste ano e os restantes dois induzem à mudança do calendário futebolístico, adequando a época proposta pela CAF.

 

Ainda estamos somente com os primeiros sete dias das medidas de prevenção, que incluem a quarentena domiciliária, adoptadas pelo governo moçambicano, faltando ainda pouco mais de 20 dias para o seu fim. Com as restrições impostas, o futebol parou no país e no mundo, mas as mentes continuam a funcionar, já a pensar no que será do futebol nacional depois da passagem desta pandemia.

Foi com esse intuito que o Departamento Técnico da Federação Moçambicana de Futebol, liderada pelo reconhecido treinador do futebol, Arnaldo Salvado, decidiu apresentar cenários possíveis de como será a época futebolística daqui para frente.

No caso concreto, o Departamento Técnico da FMF apresenta três cenários de competições, que podem ser implementadas pelo organismo moçambicano que gere o futebol para o cumprimento da época futebolística.

Dos três cenários, o primeiro é do prolongamento da presente época até 20 de Dezembro, estando os outros dois cenários, que devem estar sujeitos a uma aprovação pela Assembleia Geral da FMF, virados para a mudança de época, indo de encontro com as pretensões da Confederação Africana de Futebol (CAF), de época única para todos os campeonatos nacionais, que inicia em Julho de uma ano e termina em Maio do ano seguinte.

Eis os cenários propostos pelo Departamento Técnico da FMF:

 

Cenário A: paragem de um mês

Este cenário só será possível se o período de paralisação da actividade desportiva foi de apenas um mês, ou seja, caso as medidas adoptadas pelo governo sejam levantadas a 23 de Abril próximo. Assim, a época 2020 seria prolongada por mais um mês, devendo terminar a 20 de Dezembro, o que faria com que a época 2021 iniciasse a 20 de Janeiro até Dezembro, seguindo as épocas subsequentes o mesmo calendário.

A desvantagem deste período de calendário é que o mesmo não iria coincidir com o calendário proposto pela CAF e obrigaria a ter muitos jogos em atraso, caso a selecção se qualifique para as fases finais do CAN ou CHAN, que se realizam em Junho, período em que a época estaria a meio. O Moçambola teria que parar para dar lugar a participação dos Mambas nessas fases finais.

Mas teria vantagens: evitaria o período mais quente e mais chuvoso, nomeadamente Dezembro, Janeiro e Fevereiro; as equipas nacionais estariam com bom ritmo nas competições africanas; o Moçambola iria decorrer sem muitos problemas de falta de fundos; a validade dos contratos dos atletas continuaria em dia; e o período de férias futebolísticas iria coincidir com as férias escolares.

Caso assim se prossiga com esta época, o Departamento Técnico aconselharia que se adoptasse medidas para o encerramento das provas nacionais, como por exemplo que o Moçambola se realizasse em uma só volta e depois se realizasse um play-offs entre os primeiros 8 classificados até se encontrar o campeão e entre os últimos 6 classificados para apurar as equipas que descem, ou ainda que o Moçambola tenha uma só volta e depois uma fase final em duas voltas entre os primeiros 4 classificados para encontrar o campeão e simultaneamente uma outra fase final em duas voltas entre os 4 últimos classificados para apurar quem desce de divisão.

Em relação a segunda divisão, a proposta é que os campeonatos nacionais de segunda divisão se realizem em uma só volta (nas Províncias onde existem muitas equipas) e depois uma fase final entre os primeiros 4 classificados para apurar quem será o campeão que vai à fase final zonal, ou então que se realize em grupos, com duas voltas, e depois uma fase final entre os vencedores dos grupos para se apurar o campeão que irá à fase final zonal.

 

Cenário B: paragem de dois a três meses

Este segundo cenário prevê que em caso de uma paragem de mais de dois meses, houvesse uma reestruturação do calendário futebolístico. Assim, a época iria decorrer de Junho de 2020 a Maio de 2021, com alteração nos moldes de disputa da Taça de Moçambique, nomeadamente na fase provincial.

Este cenário traz consigo algumas vantagens, nomeadamente o enquadramento da época futebolística nacional ao calendário competitivo da CAF, ainda que os jogos fossem decorrer num período de temperaturas elevadas e em época mais chuvosa, o que provocaria muitos adiamentos. Mas o facto é que este cenário faria com que houvesse a prorrogação da actual época, bem como a validade dos contratos dos atletas com os clubes.

Assim, de acordo com a proposta do Departamento Técnico da FMF, a época seria de Junho de 2020 a Maio de 2021, e assim dividido: o calendário com 57 finais de semana, teria nove para as eliminatórias da Taça Moçambique, 26 para a disputa  do Moçambola, 4 para a paragem do fim de ano, 10 para os jogos da Selecção Nacional a contar para o CAN e Mundial, 2 para jogos da Cosafa e cerca de 6 finais de semana sem provas agendadas, para situações de jogos em atraso.

 

Cenário C: mudança da época futebolística

Aqui, neste cenário, o Departamento Técnico da FMF quer aproveitar para enquadrar o futebol moçambicano à época do calendário proposto pela Confederação Africana de Futebol (CAF), iniciando a época em 1 de Junho até 31 de Maio de 2021. Para tal as provas teriam que atrasar o seu início a partir de agora, mas reiniciando com a disputa dos Campeonatos Provinciais ora interrompidos.

Mas este cenário tem alguns desafios, aos olhos do Departamento Técnico da FMF, nomeadamente: muitos jogos a serem adiados por questões climatéricas de chuvas intensas e ainda a serem realizados debaixo de intenso calor; prorrogação dos contratos dos jogadores adaptando-os à nova época futebolística; clubes teriam de ser convencidos a continuar a pagar os salários dos jogadores no período deste interregno forçado.

Estes dois últimos cenários, caso aprovados pela Assembleia Geral, obrigariam a paragem do Moçambola por quatro semanas, nomeadamente de 20 de Dezembro a 20 de Janeiro e a segunda divisão, por oito semanas, de 20 de Dezembro a 20 de Fevereiro, para evitar a época chuvosa.

Os cenários propostos pelo Departamento Técnico da Federação Moçambicana de Futebol só serão analisadas depois que forem levantadas as medidas de prevenção da Covid-19, pelo governo, ou mesmo com o agravamento das medidas, em face do crescendo número de casos positivos no país, que vão em oito, dos mais de 217 casos testados até ao momento.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos