O País – A verdade como notícia

FIPAG e Município de Maputo desencorajam consumo ilegal de água potável

O Município de Maputo e o Fundo de Investimento e Património do Abastecimento de Água (FIPAG) estabeleceram, através de um memorando de entendimento a 1 de Julho corrente, uma parceria para a implementação do “Projecto Comunidades”, que visa desencorajar o consumo ilegal de água potável, através de ligações clandestinas e violações de contadores, por via do reforço da sua capacidade de intervenção nas comunidades locais.

Orçado em MZN 100 milhões, o projecto abrange, ainda, a componente da melhoria do acesso à água potável e dos níveis de cobertura de abastecimento de água, através da mobilização, consciencialização e sensibilização das famílias residentes na capital do país.

Trata-se de uma iniciativa financiada pelo FIPAG – Região Metropolitana de Maputo, cuja fase inicial abarcará os distritos municipais de KaMaxaqueni e KaMavota, devendo, a breve trecho, ser expandido para os distritos de KaMpfumu, Nlhamankulu, KaMabukwana, KaTembe e KaNyaka. Com esta empreitada, o FIPAG espera gerar emprego para cerca de 150 jovens dos bairros da capital do país.

“O projecto vai reforçar a capacidade de homens e mulheres no fortalecimento e restauração da economia de escala, além de desencorajar o consumo ilegal de água potável, através de ligações clandestinas e violações de instalações de abastecimento de água”, explicou o Director-geral do FIPAG, Victor Tauacale.

Em conformidade com Tauacale, o “Projecto Comunidades” surge da necessidade de gestão participativa das comunidades nos processos comerciais do FIPAG – Região Metropolitana de Maputo, cujos parâmetros estabelecidos nos distritos municipais atribuem poderes de gestão e tomada de decisão às secretarias dos bairros.

Para o presidente do Conselho Autárquico da cidade de Maputo, Eneas Comiche, o memorando de entendimento ora firmado constitui uma base sólida para se assegurar o abastecimento de água aos munícipes, envolvendo as lideranças locais, nomeadamente, os vereadores, que dirigem os distritos municipais, os secretários de bairro, os chefes de quarteirão e os munícipes, em geral.

“A água é um bem precioso, escasso e finito. Por isso, ao mesmo tempo em que nos empenharmos em garantir que chegue a todos e com qualidade. Devemos, também, preocupar-nos em poupá-la, promovendo o seu uso racional, vigiando para que não haja fugas e, quando verificadas, sejam notificadas a tempo às autoridades relevantes para serem reparadas com a devida urgência”, enfatizou Comiche.

O FIPAG – Região Metropolitana de Maputo possui uma carteira de 256.892 clientes, dos quais 139.740 são do Município de Maputo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos