O País – A verdade como notícia

FINA forma árbitros Moçambicanos para águas abertas

Cerca de trinta árbitros de águas abertas beneficiaram de formação promovida pela Federação Internacional de natação, que visa capacitar e padronizar a arbitragem em eventos de natação em águas abertas. Foi a primeira vez que o curso foi ministrado em Moçambique.

O curso é da federação internacional de natação – FINA e é fornecido às federações filiadas que solicitarem a capacitação dos seus funcionários.

Foram trinta moçambicanos integrados neste primeiro curso, ministrado por uma brasileira que já passou por Angola e Maurícias com o mesmo objectivo.

Christiane Fánzeres diz que a interação com a primeira turma moçambicana foi fácil devido o idioma e espera que os conhecimentos sejam devidamente usados, num país com uma larga costa.

“ O curso capacita sobre a arbitragem em provas de natação nas águas abertas. As normas são universais e por isso devem ser padronizados, é nesse contexto que escalamos Moçambique. Este curso é da Federação Internacional de Natação – FINA, e é destinado às federações nacionais filiadas ao organismo. O idioma ajudou muito” disse.

Neste primeiro curso, a Federação Moçambicana só conseguiu colocar funcionários das províncias de Maputo e Inhambane.

Os beneficiários dizem-se preparados para o que der e vier.

“Espera ajudar no desenvolvimento de natação na minha província (Inhambane). Estou realmente feliz por ter feito parte desta primeira equipa. As normas evoluem e é preciso que estejamos ao nível delas" considera Sónia de Jesus.

A par desta, Celso Massango também veio de Inhambane, província com potencialidade quando se fala de natação em águas abertas. Massango está orgulhoso, ate porque, na ausência de piscinas naquele ponto do país, a modalidade e praticada em águas abertas e antes desta formação, as normas eram praticamente desconhecidas.

"É claro que estou feliz e orgulhoso. A minha província pratica largamente a modalidade em águas abertas. Saio daqui com capacidades e conhecimentos para avaliar estes eventos em águas abertas" considerou.

 

O Presidente da Federação Moçambicana de Natação diz que há muito que Moçambique organiza provas em águas abertas e por isso havia necessidade de se conhecer as normas internacionais que regem estas provas.

"Há muito que acolhemos provas em águas abertas e ainda há interesse de muitos países de virem a Moçambique. Para nós era importante que tivéssemos funcionários que soubessem de normas de arbitragem em águas abertas. As normas são da Federação Internacional de Natação – FINA  e estão padronizadas" explicou o Fernando Miguel.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos