O País – A verdade como notícia

Fim do DDR previsto para finais de 2022

O processo de Desarmamento, Desmilitarização e Reintegração (DDR) dos guerrilheiros da Renamo poderá ser concluído em finais de 2022, segundo o Embaixador da União Europeia (UE) no país, Antonio Sánchez-Benedito.

Após uma paralisação por alguns meses, o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração dos homens armados da Renamo retomou em Junho do ano passado, na província de Sofala. De lá a esta parte, o processo tem sido lento, pondo em causa o cronograma previamente estabelecido pelos signatários e parceiros.

A demora que se verifica no processo foi agravada pela pandemia da COVID-19, que limitou os recursos financeiros que têm sido relatadas pelas partes no dossiê. Porém, o Embaixador da União Europeia é optimista e garante que tudo está bem encaminhado.

“O processo está a correr bem, em contextos gerais, vimos, desde o acordo de paz de Maputo em 2019, grandes avanços no DDR. Eu sou muito optimista, o processo é complexo, acho que Moçambique está a sair-se bem”.

Benedito avança que dos cerca de 5.520 antigos guerrilheiros da Renamo a serem desarmados e reintegrados na sociedade, já foi desmobilizada uma parte e, pela forma como decorre, “até finais do próximo ano, o processo estará finalizado”.

Entretanto, apesar da evolução, a fonte revela que há dificuldades no processo, uma das quais financeiras, pelo que se pondera apoio para a sua concretização.

“Estamos muito engajados em apoiar este processo e, no que diz respeito à União Europeia, estamos a disponibilizar um pacote de mais de 60 milhões de euros, sendo que uma parte será canalizada para apoiar o processo de DDR e outra parte para apoiar as comunidades afectadas pelo conflito militar por forma a criar oportunidades de emprego e outras actividades para geração de renda”, detalhou o diplomata.

Sobre a Junta Militar da Renamo, liderada por Mariano Nhongo, acusada de protagonizar ataques em Manica e Sofala, desde 2019, em contestação à liderança de Ossufo Momande, o embaixador disse que o processo de DDR é inclusivo e abre espaço para todos.

“São todos chamados para fazer parte do processo e nós apoiamos o Governo de Moçambique a encorajar todos os homens (da Renamo) a fazerem parte do processo”, sublinhou.

 O processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração já decorreu em nove bases, das quais seis estão totalmente encerradas, nas províncias de Sofala e Inhambane. Nos próximos dias, o processo poderá abranger a província de Tete, com a desmobilização de cerca de 500 guerrilheiros.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos