O País – A verdade como notícia

Filmes moçambicanos premiados no Brasil

Januário, o engenheiro à distância, de Milton Tinga e Rupia Júnior, e Kalunga, de Lara Sousa, são os títulos dos filmes moçambicanos premiados na quarta edição da Mostra Itinerante de Cinemas Negros Mahomed Bamba (MIMB), no Brasil. A ficção e o documentário trouxeram ao país os prémios Melhor Roteiro e Melhor Direcção de Arte.

Na quarta edição da Mostra Itinerante de Cinemas Negros Mahomed Bamba (MIMB) estiveram abertas cinco categorias: Melhor Filme, Melhor Direcção, Melhor Roteiro, Melhor Actuação e Melhor Direcção de Arte. Moçambique conseguiu distinguir-se em duas dessas categorias, graças aos filmes Januário, o engenheiro à distância, de Milton Tinga e Rupia Júnior (Melhor Roteiro), e Kalunga, de Lara Sousa (Melhor Direcção).

Januário, o engenheiro à distância e Kalunga distinguiram-se num universo de 30 filmes. A primeira produção cinematográfica é uma curta-metragem de ficção que retrata a ineficácia do sistema nacional de educação moçambicano. Com cinco minutos de duração, o filme segue a história de um jovem universitário que se vê obrigado a interromper os estudos em regime presencial face à COVID-19. O guião foi escrito por Rupia Júnior. Já o segundo filme moçambicano premiado na MIMB é um documentário de 22 minutos que retrata a história de uma menina que, estando longe de casa, é movida por sonhos enigmáticos para cumprir um ritual de nascimento espiritual que a leva junto com sua tia já falecida de volta à África.

Entrando mais no espírito de Kalunga, a produção conduz o telespectador a uma história da família da realizadora. E Lara Sousa explica: “O filme é sobre mim e sobre a minha tia-avó, Noémia de Sousa. É uma história sobre retorno a Moçambique e sobre a necessidade de votar a casa”. O filme Kalunga foi rodado em Cuba com material de arquivo de Moçambique, tendo a poesia da “Mãe dos poetas moçambicanos” como elemento essencial. Para Lara Sousa, foi uma boa experiência, mas difícil, mesmo sendo uma narrativa familiar. Ainda assim, o resultado satisfez a realizadora, o que foi possível devido a uma equipa de qualidade que teve em Cuba.

Ora, esta não foi a primeira premiação de Kalunga. Por ter sido financiado por Cuba, o documentário concorreu e também conquistou o Prémio de Melhor Curta-metragem Latino-americana. No Brasil, também conquistou o Prémio Melhor Filme Estrangeiro, no Festival de Cinema de Três Passos. Ainda no MIMB do Brasil, com o filme Fim, Lara Sousa foi premiada Melhor Filme, ano passado. “Receber prémios assim é sempre um orgulho. Ajuda para que novos projectos sejam financiados e expõem o nosso talento como realizadora. Espero que Kalunga seja mais visto”.

Em cada categoria, o melhor filme da quarta Mostra Itinerante de Cinemas Negros – Mahomed Bamba (MIMB) é premiado com mil reais, aproximadamente 12 mil meticais.

 

 

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos