O País – A verdade como notícia

Filme de Hermelinda Simela vence concurso de curtas-metragens

Fénix em hibernação, de Hermelinda Simela, é o filme vencedor da quinta edição do Concurso de Curtas-metragens do Centro Cultural Moçambicano-Alemão (CCMA).

 

No enredo de Fénix em hibernação, com cinco minutos de duração, há uma diva da música moçambicana. Na verdade, a história do filme realizado por Hermelinda Simela é sobre essa protagonista deveras habituada aos excessos das noites de espectáculos, nas quais o álcool e outras drogas, o assédio dos fãs e as viagens inesquecíveis de trabalho e de lazer são cenários bem aparentes.

A ideia do filme, segundo explicou Hermelinda Simela, este sábado, “surge depois de termos observado a frustração de muitos artistas que a sua vida e o seu ganha-pão era subir o palco, fazer cinema ou teatro e que, por causa da COVID-19, já não podem fazer nenhum espectáculo”. Assim sendo, a diva da música moçambicana em questão no enredo do filme, com a situação da pandemia, vê-se obrigada a recolher-se à sua casa, sem a possibilidade de poder cantar, daí a profunda depressão que a aflige.

Submetido à quinta edição do Concurso de Curtas-metragens do Centro Cultural Moçambicano-Alemão, a realização de Hermelinda Simela, rodada no bairro Chamanculo ‘A’ e no Bar Gil Vicente, na Cidade de Maputo, distinguiu-se entre 18 filmes submetidos.

O guião da curta foi escrito por Zainabo Raja e Arlete Bombi interpreta o papel da protagonista da história. “Vencer o concurso de curtas-metragens constitui uma vitória e uma batalha para nós, as mulheres, porque o filme é uma ideia de mulheres e traduz o sofrimento de se ser mulher e artista neste país onde a arte não é muito valorizada”, afirmou Hermelinda Simela.

A curta-metragem Fénix em hibernação foi produzida pelo Colectivo Madalena Maputo e teve a Max filmes como técnico de som e ainda contou com a música de Rhodalia Silvestre.

Em segundo e terceiro lugar do Concurso de Curtas-metragens do Centro Cultural Moçambicano-Alemão ficaram Gigliola Zacara, com o filme Silêncio; e Xavier Bila, com o filme No limite.

Nesta edição, o júri foi constituído por Sol de Carvalho, Tina Krüger e Gabriel Mondlane.

 

Sinopse

Fénix em hibernação narra a história de uma diva da música moçambicana, habituada ao glamour das noites de espectáculos regados a muita bebida e drogas, assédio dos fãs e viagens inesquecíveis de trabalho e de lazer. Com a pandemia, «Divina» viu-se obrigada a ficar em casa longe, do que mais gosta: a música, os amigos e o glamour do mundo das artes, o que a faz entrar numa depressão profunda e é acometida por constantes surtos psicóticos. No entanto, suas crises acabam sendo compartilhadas nas redes socias sem dó nem piedade, o que a faz mergulhar ainda mais no fundo do poço. Este é o retrato da sociedade moçambicana cada vez mais egoísta, fútil e sem menor empatia com a dor e sofrimento do outro.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos