O País – A verdade como notícia

Filipe Nyusi assina acordo sobre zona de comércio livre em África

O Presidente da República, Filipe Nyusi, formalizou, esta quarta-feira, a adesão de Moçambique à zona de comércio livre continental, ao assinar, em Kigali, capital de Ruanda, um acordo nesse sentido.

O Chefe do Estado assinou também o protocolo sobre a livre circulação de pessoas e de fixação de residência, bem como a declaração de Kigali que marca o lançamento formal da zona de comércio livre africano.

Mais de quarenta dos cinquenta e cinco países membros da União Africana assinaram os três instrumentos jurídicos que marcam um passo decisivo no contexto da Agenda 2063 da União Africana.

O Acordo sobre o comércio livre, em particular, constitui um dos mais importantes programas da União Africana dos primeiros dez anos da agenda 2063.

“Para Moçambique, a assinatura do acordo sobre a zona do comércio livre significa ter melhores oportunidades de colocação dos seus produtos ao nível do continente africano livre das restrições no que se refere à liberdade de circulação de mercadorias” – disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, José Pacheco. O Acordo marca uma nova etapa da nossa  libertação económica em África – acrescentou o Ministro.

Para o Presidente da União africana e Chefe do Estado do Ruanda, Paul Kagame, a criação da zona de comércio livre significa a prosperidade dos africanos e, sobretudo, a valorização das suas capacidades e de sua entrega ao trabalho.

Por seu turno, o Presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki  Mahamat, entende que  o Acordo assinado em Kigali marca uma nova etapa na viragem do continente para a  integração e união. Marca igualmente um passo importante na trajectória do pan-africanismo.

O dirigente da organização continental apelou, no entanto, aqueles países que ainda não assinaram o Acordo para  que o façam no mais curto espaço de tempo possível, para o bem dos respectivos povos.

No entanto, alguns Países, ainda que poucos mostram-se cépticos quanto a este projecto.  A Guiné Conacri, por exemplo declarou já que não vai aderir ao acordo.

Na Nigéria, instalou-se um braço de ferro entre o Governo e a Confederação das Associações económicas quanto à pertinência do acordo.

A África do Sul apenas assinou a Declaração de Kigali.

Espera-se que o acordo assinado em Kigali entre em vigor, em menos de um ano.

Para muitos Países, e mesmo no caso de Moçambique, a entrada em vigor dos instrumentos jurídicos assinados carece de ratificação das respectivas Assembleias Nacionais.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos