O País – A verdade como notícia

Faróis da Lucrécia II*

A informação da iminente entrada do senhor comandante Bujão à esquadra espalhou-se como uma onda de choque de uma poderosa explosão, e levou os efectivos dos dois turnos a uma rápida concentração no pátio em filas bem alinhadas. A Lucrécia II entrou no mesmo pátio, bem devagarinho, fez manobras até que se posicionou de frente para os agentes em formatura, deixando a sua parte frontal bem visível a todos. O senhor comandante Bujão desceu, estacou-se junto à porta de motorista.

— Descansar! — Disse com voz amena, em absoluto contraste com o seu nervosismo, mas logo entregou-se a um longo e terrível silêncio, cerca de quatro minutos, a fustigar um olhar de laiser mortal a cada um dos agentes.

— Senhora Zucula! — Berrou enfim o senhor comandante Bujão.

— Aqui, senhor comandante! — Retorquiu prontamente uma mulher dos seus vinte e poucos anos, apropriadamente uniformizada mas em cuja face evidenciava-se o seu total desagrado por estar ali. Ela fazia parte do efectivo cujo turno findara.

— Aproxime-se!

Lá foi a agente Zucula, em marcha, estacou-se diante do comandante e fez a devida continência.

— A senhora sabe ligar os faróis de uma viatura?

— Não tenho a certeza senhor comandante!

— Espreite aqui dentro do carro! Girando este botão, os faróis se acendem. — Afastou-se para dar espaço à agente Zucula. — Faça isso agora! Garanto-lhe que não há perigo. — Disse o senhor comandante Bujão, ainda com a voz comedida, mas ao de leve sentia-se o fedor de uma sagaz ironia.

— Está feito senhor comandante.

— Muito obrigado senhora Zucula. — Encarou o efectivo em formatura. — Em condições normais eu, ou qualquer condutor, ligo os faróis de noite, pelo que, por estar escuro, mesmo sentado no banco do motorista, é possível certificar se os faróis de facto acenderam. Mas, porque o dia raiou há esta pertinência de confirmar se os faróis acenderam. Então, senhora Zucula, vá até a frente do carro para averiguar se os faróis estão acesos.

Lá foi a agente Zucula.

— Os faróis não estão acesos, senhor comandante.

— Ora! Isso é grave, deveras. — Entregou-se a mais um interregno no silêncio. E eram justamente aqueles períodos sem palavras e olhares mortais que mais assustavam os agentes em formatura. — A senhora saberia identificar a causa desta anomalia?

— Acredito que a anomalia prende-se com o facto de não haver nenhum farol no carro do senhor comandante — Tartamudeou a agente Zucula, como se desse a fatídica notícia de que um petulante criminoso libertado por ela própria houvesse arrancado os lindos olhos da Lucrécia Paco. Eram momentos bastante tensos para todos os agentes, mas mais ainda para a agente Zucula.

— Muito obrigado senhora Zucula! — Virou-se ao grupo perfilado. — Algum dos senhores tem opinião contrária?

O silêncio carregado de tensão fez-se ouvir mais assustador, como se houvesse um leão estirado num local invisível e a observa-los, no aguardo por um passo em falso, para um salto mortal aos seus pescoços.

— Tomo o vosso silêncio como um sincero consentimento da conclusão há pouco apresentada pela vossa colega Zucula — virou-se para ela —, a quem muito agradeço pelo excelente contributo nesta pertinente diligência. Pode retornar ao seu lugar na formatura, senhora Zucula! — Prosseguiu o comandante. — Ontem quando estacionei o carro no parque, que por acaso é conhecido de todos vós, localizado a quatro quarteirões desta esquadra, posso assegurar-vos que havia faróis nestes buracos. Abster-me-ei de qualquer prossecução adicional ao que já foi revelado, deixando esta tarefa a todos vós. Neste momento vou ao meu gabinete para trabalhar em todos os casos menos neste. Para que não se verifique falta de efectivos, depois que os meus faróis estiverem montados, aqueles cujo turno terminou, poderão ir ao descanso nas suas casas.

Uma hora e meia depois o chefe das operações bateu a porta do gabinete do senhor comandante Bujão.

— Os faróis já estão montados, senhor comandante.

Diante da viatura e dos agentes numa segunda formatura, o senhor comandante Bujão fez a sua perícia e constatou que de facto estava tudo em ordem.

— Quem é o responsável desta insânia?!

— Está na cela, senhor comandante. — Respondeu o chefe das operações.

— Devo concluir, e concordar com o povo, que vocês conhecem e trabalham com meliantes. É uma conclusão óbvia. Bem sabeis da repugnância do novo comandante geral a respeito de desvios da postura que deve nortear a missão do agente policial, portanto, farei desta ocorrência o exemplo de combate aos infiltrados na corporação. Começando desde já, solicito que se aproximem os responsáveis pela prisão deste meliante.

Avançaram o chefe das operações e seis agentes. Nisso tocava insistentemente o telemóvel do senhor comandante Bujão, que acabou por atender. Logo desligou.

— Senhora Zucula! Está uma senhora lá a frente. Leve-a ao meu gabinete que eu já vou atendê-la.

Lá foi a agente Zucula.

O senhor comandante Bujão virou-se ao grupo mais próximo de si. — Começa o senhor, chefe das operações. Diga como foi possível tão rapidamente esclarecer este caso!

— O meliante e o seu modus operandi é sobejamente conhecido, senhor comandante.

— Ah! — Fez o senhor comandante Bujão. — Então estamos diante da sua confissão?

— Não, senhor comandante.

— Esclareça!

— O meliante é o mesmo miúdo de dezoito anos solto na semana passada.

— Que miúdo?!

— Há três meses prendemos um miúdo de dezoito anos, consumidor de estupefacientes, por roubo de baterias e faróis nas redondezas. Foi solto, sem que nenhum processo fosse aberto, depois que a mãe entrou no gabinete do senhor comandante.

— O quê?! Que brincadeira é essa?!

— Na semana passada sucedeu a mesma coisa! — Prosseguiu destemido o chefe das operações. — O mesmo miúdo foi solto sem processo!

Um dos polícias que havia-se aproximado ao senhor comandante Bujão esclareceu com certa afronta zombeteira. — É o filho daquela senhora muito bonita, clarinha, de rabo grande, que assa carne de porco que o senhor comandante gosta de comer.

O senhor comandante Bujão dissimulou-se desentendido. Entretanto os polícias responsáveis pela prisão continuaram a deixa:

— Este carro do senhor comandante tem sido visto de madrugada na casa da mãe desde miúdo.

— Não vos permito que me difamem! — Berrou o senhor comandante Bujão, numa tentativa de assumir o controlo do seu rebanho, mas o respeito havia-se esvaído porque, sentiam os agentes que, o comandante não se deu o devido respeito para que pudesse merecer o deles.

Havendo retornado, a agente Zucula rematou, também destemida e zombeteira: — É o miúdo cuja mãe o senhor comandante acaba de manda-la aguardar no seu gabinete!

Ouviram-se risinhos sufocados.

— Silêncio! — Disparou um berro terrível, e repetiu. — Silêncio!

Houve de facto silêncio mas as caras dos agentes não demonstravam nem medo nem respeito. O senhor comandante Bujão fez um longo suspiro resignado e prosseguiu, falando com a calma inicial:

— Chagados a este momento, devo antes de mais agradecer-vos pelo esforço e perspicácia no rápido esclarecimento desde pequeno incidente; devo igualmente agradecer porque na qualidade de colegas preocupados comigo, e movidos por vossa livre e espontânea vontade, permaneceram em serviço mesmo depois da vossa hora de saída, demostrando assim sincera solidariedade à minha penosa situação; De resto, antes de sermos polícias somos seres humanos, e nessa qualidade estamos cientes de que o bem paga-se com o bem, por isso jamais esquecer-me-ei de posicionar-me ao lado dos meus colegas quando constrangimentos inesperados baterem à vossa porta, ou quando enfrentarem problemas cuja natureza demanda pelo meu auxílio. Aos colegas que trabalharam de noite, não é aconselhável que continuem a trabalhar por mais tempo pois o vosso corpo carece de descanso e vocês o merecem. Dispensados!

Dali a meia hora, o chefe das operações foi solicitado ao gabinete do senhor comandante Bujão. Estava ele sozinho.

— Olha colega! Convém providenciar a soltura imediata deste menor.

— Não é menor, tem dezoito anos, senhor comandante!

— Não é da sua competência atribuir idades aos cidadãos. E não me interrompa. — Retomou o seu raciocínio. — Na qualidade de parte lesada abstenho-me de levar a questão por este caminho. Até mesmo porque já foi cabalmente esclarecido o caso, a contento de todas as partes, sendo que, de resto, há-de a mãe conversar com o miúdo ainda hoje. Uma análise a partir de uma perspectiva mais humanista revela que estamos diante de caso de fórum familiar, e não poucas vezes faz-se mais justiça libertando do que prendendo. Daremos voto de confiança à mãe dele para que ajude o filho a encontrar melhores caminhos e eu vou mexer os pauzinhos para pôr o miúdo na academia de polícia, pelo que estamos também diante de um futuro colega. Estamos entendidos?

— Afirmativo, senhor comandante.

— Nada de processos!

— Percebido, senhor comandante.

— E passe por lá para experimentar aquela adorável carne de porco. Aquilo é uma delícia. — Falava a sorrir, com se de um ambiente informal se tratasse. — Há lá uma prima dela que manifesta o desejo de conhecer-te. Queres vir comigo mais logo?

— Com certeza, senhor comandante.

— Sairemos juntos à tardinha. Não te vais arrepender.

Ao início da tarde bateu a porta do gabinete do senhor comandante Bujão um dos agentes afectos à esquadra e que foi prontamente recebido:

— Senhor comandante! Estou com um problema que demanda a sua compressão.

— Diga-la Mutisse!

— Acaba de ligar-me a minha mãe, toda angustiada. Preocupa-me bastante o facto de ela sofrer de hipertensão.

— Vá directo ao ponto Mutisse!

— A irmã da minha mãe está lá em casa, toda molhada em lágrimas de desperto, coitadinha, porque o filho perdeu a cabeça e espancou a uma vizinha que teve de ser assistida no posto de saúde. Ele está neste momento numa das nossas celas. O problema já foi resolvido entre vizinhos, mediado pelo chefe do quarteirão.

— Como se chama?

— Puncher!

— Puncher não é aquele rapaz violento que carrega pesos e sai para todos os lados a fazer rasteiras e a bater até em mulheres e crianças?!

— Sim, senhor comandante. Mas o problema é a minha mãe que pode não suportar as lágrimas da irmã. É mais um caso de família, como sucedeu está manhã como o miúdo dos faróis.

— Diga o chefe das operações que o solte. Mas por favor Mutisse pah! Organiza a tua família que isto assim não pode continuar.

 

*Conclusão.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos