O País – A verdade como notícia

Famílias reassentadas em Guara-Guara dormem “apinhadas” na mesma tenda em Sofala

Num contexto em que as autoridades de saúde recomendam o distanciamento físico e social como uma das medidas para prevenir as infecções pelo novo Coronavírus, esta medida parece não se aplicar para as famílias reassentadas em Guara-Guara, no distrito do Búzi, província de Sofala. É que numa só tenda dormem até 10 pessoas, o que fez com que Ester Lucas, por exemplo, levasse o problema ao ministro da saúde, Armindo Tiago.

“De dia podemos tentar tentar nos prevenir da COVID-19, mas de noite é impossível porque não conseguimos dormir com as máscaras. Estando nós assim [apinhados], como vamos nos prevenir da doença?”, questionou Ester Lucas, na qualidade de porta-voz dos reassentados em Guara-Guara.

A mulher, exteriorizando o agastamento da maioria, acrescentou: “a comida é outro problema que temos” no centro.

“É certo que nunca nos faltou o que comer, mas desde que estamos aqui só comemos feijão e massa. É tortuoso comer os mesmos alimentos todos os dias. Ademais, temos situações de pessoas seropositivas que precisam variar a sua dieta alimentar”, explicou a porta-voz do grupo reassentado em Guara-Guara devido às inundações.

Na ocasião, o ministro da saúde, Armindo Tiago, reconheceu a situação de vulnerabilidade das famílias e garantiu que o Governo está a fazer o seu melhor para minimizar o sofrimento de quem deixou tudo para trás ou perdeu devido à fúria das intempéries.

“A situação de controlo da COVID-19 não tem a ver apenas com o Governo, com o ministério da Saúde, mas com todos nós. O Governo e as autoridades locais estão a fazer o possível para garantir conforto para os nossos concidadãos que estão a ser assolados por vários fenómenos naturais”, disse o ministro a jornalistas.

“Recorde-se que, em tão pouco tempo, a província de Sofala teve mais de dois eventos naturais extremos. O trabalho de assistência é um processo, sendo que o esforço para minimizar o sofrimento dessas famílias será contínuo”, disse Armindo Tiago.

Refira-se que no centro de reassentamento de Guara-Guara vivem actualmente 710 famílias, o que perfaz cerca de três mil pessoas.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos