O País – A verdade como notícia

Falta de fundos pode comprometer reposição do mangal em Cabo Delgado

O projecto de reposição do mangal destruído no distrito de Mecúfi, no centro da província de Cabo Delgado, está em risco de ser paralisado devido à alegada falta de fundos para a sua continuidade.

A iniciativa que está a ser implementada pelo Centro de Pesquisa do Ambiente Marinho e Costeiro, contava com apoio de parceiros, mas por várias razões deixaram de desembolsar os fundos e a disponibilizar meios materiais para a recuperação do mangal.

“Tínhamos parceiros que estavam a ajudar em questões de valores monetários, como a Associação para Meio Ambiente (AMA) e a CEPAM, e haviam dito que à sua saída teríamos apoio do governo, mas até agora nada”, revelou Vitalix Terenciano, presidente da Associação dos Viveiristas de Mecúfi, a organização responsável pela reposição do mangal.

A retirada de parceiros do projecto de reposição do mangal em Mecúfi foi confirmada pelos Serviços Distritais das Actividades Económicas, que estão preocupados com a ausência de apoios para a concretização da iniciativa.

“Este trabalho requer recursos financeiros e humanos, que nós temos, mas hoje em dia nada se faz sem dinheiro. Todos os parceiros que tínhamos desapareceram e a situação piorou por causa do novo Coronavírus”, disse João Ferraz, chefe dos Serviços Distritais das Actividades Económicas de Mecúfi.

Actualmente, o projecto em causa conta apenas com apoio do CEPAM, mas que também está com dificuldades para dar continuidade ao processo, exactamente por falta de fundos e meios.

“Com a falta de fundos, poderá não ser possível cumprir com as metas, porque o plano prevê o plantio de cerca 15 mil mudas anuais, mas só conseguimos duas a três mil mudas, numa área de dois hectares”, argumentou Gonçalves Bernabé, biólogo e investigador do CEPAM.

Outro problema que ameaça a continuidade do projecto de reposição do mangal em Mecúfi, de acordo com a fonte, tem a ver com a falta de técnicos e meios materiais.

“Actualmente temos três técnicos no CEPAM”, mas “outros abandonaram” o programa “à procura de outras oportunidades de emprego, devido à falta de trabalho na instituição”, contou Gonçalves Bernabé. Além de “dificuldades financeiras, temos apenas uma viatura que é da delegada. Quando saímos para os distritos, outros serviços” param, acrescentou o interlocutor.

O projecto em alusão começou no ano 2012. Até ao momento foram recuperados apenas 12 dos 100 hectares destruídos.

Entretanto, apesar das dificuldades financeiras e materiais, o processo de reposição do mangal em Mecúfi continua e o CEPAM espera retornar à normalidade com o programa anunciado este ano pelo governo, que prevê repor cerca de cinco mil hectares de mangal em todo país, até 2024, sendo 500 hectares apenas em Cabo Delgado.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos