O País – A verdade como notícia

Explosão no Líbano deixa mais de 100 mortos e 4.000 feridos

Mais de 100 pessoas morreram e mais de 4.000 ficaram feridas na sequência de duas explosões sucessivas de grande dimensão, na capital do Líbano, em Beirute, durante a tarde desta terça-feira. Os números das vítimas mortais estão em constante actualização são avançados pela Reuters que cita o ministro da Saúde libanês às 23h.

“Até agora, mais de 4.000 pessoas ficaram feridas e mais de 100 morreram. As nossas equipas continuam as operações de busca e salvamento nas áreas circundantes”, informou a Cruz Vermelha libanesa, num comunicado citado pela agência de notícias France-Presse (AFP).

O Governo português disse na terça-feira não ter indicações de que haja cidadãos nacionais entre as vítimas, disse à Lusa a secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes.

As explosões ocorreram na zona portuária da cidade e há indicação de que há quase quatro mil feridos. “Há muitos desaparecidos até agora. As pessoas estão a perguntar às autoridades de emergência pelos seus familiares e é difícil fazer buscas à noite porque não há electricidade”, disse o ministro da saúde libanês.

Um responsável da Cruz Vermelha do Líbano conta que centenas de pessoas feridas estão a ser levadas para os hospitais. Outros continuam presos nas suas casas, devido aos escombros.

As fortes explosões partiram janelas a quilómetros de distância. As autoridades já confirmaram, que a explosão ocorreu numa área onde estava armazenado fogo-de-artifício e material explosivo que tinha sido confiscado há seis anos.

O presidente libanês reagiu, citado pela Aljazeera, considerando ser “inaceitável” que aquela quantidade de explosivos estivesse guardada num armazém sem quaisquer medidas de segurança e garantiu que os responsáveis iriam enfrentar “consequências duras”.

O Líbano atravessa a sua pior crise económica das últimas décadas, marcada por uma forte depreciação monetárias, hiperinflação, desemprego elevado e restrições bancárias, que têm alimentado tensões sociais.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos