O País – A verdade como notícia

Ex-directora das Finanças de Manica nega entregar-se à justiça

Até há bem pouco tempo, Maria Constância Nhalevilo era Directora dos Serviços Provinciais da Economia e Finanças em Manica. Ocupava o cargo há cerca de dois meses e eis que de Cabo Delgado, onde esteve como Administradora Distrital de Mueda, surgem indicações de que Nhalevilo foi julgada e condenada, ainda com um mandado de prisão, por ter-se provado o seu envolvimento, na companhia de dois colegas subordinados, nomeadamente Guilherme dos Santos e Metodi Russa, no crime de corrupção, falsificação de documentos e peculato.

“São emitidos mandatos de captura e seguidos de condução dos arguidos Maria Constância Afonso Nhalevilo, Guilherme dos Santos e Metodi da Costa Cristóvão Russa à Penitência para o cumprimento das penas de prisão que acabam de ser aplicadas”, sentenciou o juiz da causa, Zacarias Napatima, na presença do advogado de Maria Nhalevilo, Lino Guido.

Esta pode ter sido a razão da exoneração de Maria Nhalevilo do cargo de Directora dos Serviços Provinciais de Economia e Finanças, que em sua substituição foi nomeado Carlos Comissal, ido de Tete, que tomou posse esta segunda-feira.

Na hora do adeus, “O País” questionou, se Nhalevilo condenada a cinco anos de prisão por um Tribunal de Cabo Delgado iria se entregar à justiça, mas esta disse que não, uma vez que os seus advogados recorreram da sentença.

“Eu recorri da sentença. Continuo funcionária do Estado e estou disposta a trabalhar em qualquer ponto do país onde me forem confiadas quaisquer funções”, referiu.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos