O País – A verdade como notícia

“Eu não faço negócios estranhos com funcionários do Estado”, Teófilo Nhangumele

Foto: O País

A audição a Teófilo Nhangumele durou aproximadamente duas horas, neste terceiro dia do julgamento do caso “dívidas ocultas”. Durante a sua reconstituição dos factos, o arguido disse que não faz negócios estranhos com os funcionários do Estado e sublinhou: “O funcionário do Estado, que quer ser milionário, deve sair do Estado”. Deste modo, Nhangumele explicava que a sua colaboração com o SISE, na qualidade de consultor, visava a protecção da costa moçambicana. Portanto, tratava-se de um projecto de informação e não de atum. Por isso, mais tarde, depois de ter sido afastado, pela parte moçambicana, espantou-se quando ficou a saber da EMATUM e das questões ligadas à empresa através da imprensa.

Ao reconstituir os factos, Teófilo Nhangumele afirmou que o seu envolvimento no projecto de protecção da costa moçambicana começou numa reunião em que participou, convidado por Cipriano Mutota, no Ministério da Ciência e Tecnologia. Naquela altura, reconheceu algumas pessoas no encontro, em que esteve Jean Boustani, sendo que a função de Nhangumele era de tradutor de língua inglesa para português e vice-versa. Na reunião, disse, foi apresentado mais um projecto, que envolvia barcos e satélites. De Boustani, ficou a percepção de que os quadros do ministério não tinham percebido o essencial do que tinha sido apresentado. Para o réu, com efeito, a tentativa de protecção da costa moçambicana era importante, porque o território nacional, naquela altura, era utilizado para o tráfico de armas sofisticadas, que poderiam perigar o Estado.

A partir daí, Teófilo Nhangumele e os seus colegas começaram a desenhar a proposta, e aí iniciaram as viagens para que se inteirassem do procedimento de gestão dos sistemas. Desenhado o primeiro conceito, com a identificação de problemas reais, Teófilo Nhangumele foi convidado a participar numa reunião na Presidência da República. O então Chefe do Estado, Armando Guebuza, não participou. Quem esteve no seu primeiro encontro na Presidência foi o ministro da Defesa (na altura, Filipe Nyusi), do Interior, dos Transportes (na altura, Paulo Zucula), das Pescas (Victor Borges), das Finanças (Manuel Chang), o então director-geral do SISE (Gregório Leão), Cipriano Mutota e Teófilo Nhangumele. No encontro, foi feita a apresentação do conceito sobre como iriam usar o equipamento para a realidade moçambicana, de forma específica. Houve boa reacção e sugestões para se aperfeiçoarem os documentos. Foi nessa altura em que Nhangumele comunicou a Jean Boustani que tinha informação animadora.

Terminado o trabalho dos números, foi marcada mais uma reunião na Presidência da República. No encontro, falou-se dos números, custos, capacidades e de como poderiam pôr a funcionar o sistema. “Lembro-me de ter reparado que, no segundo encontro, não estavam dois ministros: Zucula e Borges”. O arguido estranhou a ausência, porque entendia que eles eram importantes. Em vez deles, participaram na segunda reunião os outros que estiveram na primeira. A dada altura, disse Nhangumele, Armando Guebuza perguntou como iriam financiar, pelo que Manuel Chang respondeu que podia ver a questão do financiamento.

Teófilo Nhangumele reforçou que o projecto de protecção costeira era tão importante e incrível que, se as pessoas que estavam na sala de audiência, esta quarta-feira, pudessem ver o que se passa na costa moçambicana, mudariam de opinião em relação ao projecto.

Nhangumele disse ainda Jeran Boustani ajudou a encontrar financiamento do projecto no estrangeiro, e que Credit Suisse interessou-se.

Já numa fase adiantada, Nhangumele disse que o ministro da Defesa (na altura Filipe Nyusi) foi quem pediu ao Presidente Guebuza para se avançar com o projecto de protecção da costa moçambicana. Por sua vez, “o Presidente da República respondeu que se estivéssemos satisfeitos, podíamos avançar”. Então, o arguido tratou de falar com o então ministro da Defesa e com o então director-geral do SISE para se avançar com as assinaturas.

Ainda esta quarta-feira, Nhangumele lembrou que, a certa altura, Cipriano Mutota, seu amigo há muitos anos, o informou de que teve conhecimento de que iriam afastá-lo do projecto, porque não era do SISE. “Confesso que não gostei nada de saber disso. Eu fazia os cálculos, as tabelas, quem sabia do combustível que se gastava de Sul e ao Norte era eu. Perguntei como ficaria o projecto”. Foi o ministro da Defesa, Filipe Nyusi, que, na altura, disse que não trabalhariam mais com ele, e que devia entregar as pastas ao senhor Matlaba. A partir daí, deixou de falar com Cipriano Mutota, porque estava aborrecido, e com Jean Boustani, que deixou de lhe atender. Logo, não sabe dos projectos sobre a pesca de atum, porque não fez parte disso.

Quando o projecto ficou fechado, chegou então o momento de Teófilo Nhangumele ser pago pelo trabalho de consultoria prestado à Privinvest ao longo do tempo. Assim, viajou para Abu Dhabi e lá abriu a conta bancária para a qual foi depositado o valor. A informação de que tinha sido pago pelo serviço de consultoria prestado Nhangumele teve de Bruno Langa. “Fiquei feliz! Como não tinha como saber que o valor tinha sido depositado na conta bancária em Abu Dhabi, liguei ao Jean Boustani, mas ele não me atendeu”.

Cinco meses depois da última estada em Abu Dhabi, Nhangumele viajou e confirmou que o dinheiro lá estava. “Eu queria dar algum dinheiro para Mutota se orientar, porque Mutota ele é meu amigo. Mutota não pede dinheiro a ninguém. É uma pessoa muito simples. Mas não lhe dei”. Segundo o arguido, assim não o fez porque temeu arranjar problemas a Cipriano Mutota.

Resumindo, Teófilo Nhangumele disse que foi contactado para prestar serviço de consultoria em relação a um projecto de protecção costeira. Depois de avançar dados numéricos, foi afastado e, quando voltou a ter informação sobre o assunto, já não se tratava de protecção costeira, mas de pescado de atum.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos