O País – A verdade como notícia

Estudantes moçambicanos no Brasil queixam-se de abandono por parte da embaixada

Um grupo de pelo menos 70 estudantes moçambicanos no Brasil está indignado com a Embaixada de Moçambique naquele país, por mostrar indiferença e abandono em casos emergenciais.

A gota da água foi a morte de três estudantes nacionais naquele país em que, para a transladação dos corpos, a representação diplomática de Moçambique se escusou de apoiar.

O último caso deu-se a 5 de Julho, com a morte de Henriques Norte, que não resistiu a uma doença que já o afectava. Mesmo assim, 12 dias depois, o seu corpo ainda não foi transladado para Moçambique devido à falta de condições.

Para a transladação do corpo, são necessários cerca de 21 mil reais, o equivalente a 258 mil meticais, segundo Valdemiro Muhala, colega do finado. “Como não dispomos do valor, a universidade dispôs-se a pagar metade e, por isso, submetemos uma carta à embaixada a pedir um auxílio, mas a resposta foi negativa”, contou o estudante.

Na altura, conforme explica Miguel Ali, a alegacão foi de que eles não têm autorização, nem responsabilidade para a transladação do corpo e ainda avançam que a bolsa do estudante que perdeu a vida não prevê essas questões. “Eles estão a fugir da responsabilidade, nós somos representados pela nossa embaixada aqui e, quando dizem que não têm essa responsabilidade e deixam-nos num vácuo, torna-se preocupante”, queixou-se Miguel Ali, tendo acrescentado que “já tivemos um caso do género e enfrentámos as mesmas dificuldades para transladar corpo de um colega e isso não nos deixa tranquilo, porque amanhã situações do género voltarão a acontecer”.

“O País” teve acesso à carta com a resposta da embaixada e nela lê-se que “devido à natureza da bolsa de estudo atribuído ao finado, não está previsto, no seio da CAPES, nenhum financiamento para situação desta natureza (…). A Embaixada de Moçambique não dispõe de rubrica para custear este tipo de despesas”.

Gabriel Vasco, outro estudante, até aceita a justificação da embaixada, mas considera que, para situações do género, as questões burocráticas deviam ser deixadas de lado.

“Quando perdemos alguém, a nossa preocupação é de imediato querer dar um descanso condigno a essa pessoa e a embaixada precisa de compreender que é preciso ter um sentido humanitário e, em caso de morte, há burocracias que precisam de ser eliminadas”, sublinhou Vasco.

Para conseguir o valor, os estudantes, junto da universidade, tiveram de criar dois grupos para fazer uma “vaquinha” e, ainda assim, o valor foi insuficiente.

Entretanto, após a entrevista com os estudantes, “O País” soube que a embaixada já havia dado uma resposta positiva e que vai apoiar na transladação do corpo do estudante moçambicano Henriques.

Para além destas situações, o grupo queixa-se de abandono, burocracias “desnecessárias”, como por exemplo, no momento de tratar documentos. Manuel Cochol contou que os custos para tratar a documentação é três ou quatro vezes mais caros do que quando tratado em Moçambique e o processo é moroso e desgastante.

“É mais preferível arranjar dinheiro, pagar o voo e viajar para Moçambique para tratar esses documentos, mas o processo torna-se mais difícil, porque, para voltar a Moçambique, precisamos também de documentos que nos permitam viajar. Então, são muitos problemas que envolvem a eficiência, a qualidade do oferecimento de serviços e o acolhimento da embaixada às nossas necessidades no Brasil, enquanto moçambicanos.”

Por isso, os estudantes remeteram, esta sexta-feira, uma carta de repúdio aos actos da embaixada considerados de abandono, com a assinatura de 70 estudantes naquele país.

No abaixo-assinado remetido, os estudantes escrevem que “não estamos satisfeitos com a forma como a embaixada tem respondido às solicitações por nós apresentadas”.

O estudante Júnior Rafael diz que o grupo exige uma mudança de atitude, que seja mais dinâmica, mais apática e que se sensibilize com a situação dos seus compatriotas.

Em reacção, sem gravar entrevista, o Embaixador de Moçambique em Brasília disse que não há nenhuma indiferença por parte da embaixada, pois tem prestado apoio necessário aos moçambicanos naquele país.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos