O País – A verdade como notícia

Estrada Tica-Búzi, em Sofala, estará pronta até Setembro de 2021

A asfaltagem da Estrada Nacional número 280, que liga o posto administrativo de Tica, em Nhamatanda, ao distrito do Búzi, em Sofala, será concluída em um ano e tem 134 quilómetros. Os utentes estão ansiosos em ver a obra concluída, para o fim do calvário a que estão sujeitos neste momento.

Avaliadas em cerca de 130 milhões de dólares norte-americanos, as obras decorrem a um ritmo satisfatório, apesar de a empreitada ter sido afectada pelo ciclone Idai, no ano passado, e agora ressente-se dos efeitos da pandemia da COVID-19.

O empreendimento, cujo primeira pedra foi lançada em Setembro de 2018, pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, é considerado estratégico, uma vez que vai dinamizar a circulação de pessoas e bens na província de Sofala.

A via irá, igualmente, contribuir no descongestionamento do tráfego das estradas nacionais números um e seis e, além disso, vai encurtar sobremaneira as comunicações internas entre a sede do posto administrativo de Tica e Casa Nova, na Estrada Nacional número um, no distrito de Chibabava.

Ciclicamente, no período chuvoso, a estrada Tica-Búzi-Nova Sofala ficava interrompida ao tráfego devido às inundações que deixam a plataforma submersa. No Verão, a circulação de viaturas provocava muita poeira.

Assim, concluída a asfaltagem em curso, o martírio pelo qual a população passa diariamente ao usar a via chegará ao fim. Reina ansiedade entre os utentes em ver a obra concretizada.
Estava previsto que a asfaltagem da estrada terminasse em Abril de 2021, mas os prazos foram alargados para Setembro do próximo, devido a factores conjunturais, com destaque para o ciclone Idai, que danificou significativamente tudo o que já havia sido construído até Março do ano passado.

Neste momento, a execução está em 38 por cento. Contudo, o ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, que visitou as obras, mostrou-se satisfeito com o nível de execução.

“Dois aspectos contribuíram negativamente no atraso das obras: a dificuldade na contratação da mão-de-obra qualificada, ao nível interno, e que pudesse manusear os equipamentos; e o ciclone Idai, que afectou a província de Sofala, tendo destruído parte das infra-estruturas que já tinham sido implantadas”, explicou o governante, acrescentando que isso “forçou o alargamento dos prazos, de Abril de 2021 para Setembro do mesmo ano”.

Ainda de acordo com João Machatine a “parte mais complexa” da rodovia em construção “está relacionada com as obras de arte: pontes, pontões e aquedutos, que exigem uma engenharia acima do normal”. Os mesmos “estarão prontas dentro de 45 dias”.

Em jeito de avaliação do que já se pode ver no terreno, o ministro afirmou: “estamos satisfeitos com a execução das obras que compõe 470 obras de arte. Destas destacam-se 13 pontes”, sendo “11 de pequena dimensão e duas de maior realce. A principal será construída sobre o rio Búzi, com 680 metros de extensão. Neste momento, a travessia é assegurada por um batelão”.

Machatine explicou também que a pandemia da COVID-19 condicionou o número de trabalhadores nas obras e este facto contribuiu para atrasar as obras. Entretanto, “o mais importante é sabermos nos adaptarmos a esta realidade. Não podemos, nunca, inviabilizar os nossos projectos e o nosso desenvolvimento por causa do Coronavírus”.

Naquelas obras há envolvimento de estudantes do ramo de construção civil no Instituto Industrial e Comercial da Beira e da comunidade local. Aliás, 1.400 trabalhadores são nacionais. Parte deles são jovens locais.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos