O País – A verdade como notícia

Estacionamento rotativo passa a ser pago por meios electrónicos em Maputo

A cobrança no acto do estacionamento rotativo na cidade de Maputo passa a ser electrónica, a partir desta quinta-feira, o que significa que não será mais necessária a intervenção humana para efectuar o pagamento. Numa primeira fase, o serviço vai abranger as avenidas Albert Lithuli e Samora Machel. Embora divididos, os utentes pedem eficiência ao Município.

Na Avenida Albert Lithuli, seguia um agente da Polícia Municipal, para bloquear uma viatura mal estacionada, mas a proprietária apareceu e, por clemência, o carro ficou livre da chamada “chamussa”. É assim, e assim será para os carros mal estacionados.

Entretanto, o Município de Maputo entende que o estacionamento rotativo vem para evitar este tipo de problemas e, igualmente, angariar dinheiro para a construção de mais  infra-estruturas, incluindo parques.

Esta quinta-feira, começa o pagamento, através de meios electrónicos para o estacionamento em locais demarcados.

Roda Chissumba trabalha numa das Empresas localizadas na Avenida  Albert Lithuli, vai ficar com o seu carro estacionado no local por 9 horas e, quando faz as contas, diz que os valores são insustentáveis.

“Tenho de pagar 90 meticais por dia e 90 vezes 30 dias é muito, porque trabalho até no sábado, não tenho esse valor para pagar. Não digo que devemos deixar de pagar, mas eles deviam pensar em nós”.

Shazim Kassam é outro utente e diz não ver problema em pagar os 10 meticais por hora, mas exige que o município proteja o seu carro, enquanto estiver na via pública.

Mas há, entre os utentes destes espaços, indignação, reprovação e questionamentos relacionados à esta iniciativa do Município.

“Eu não sei como será, ainda não percebi bem, mas tenho reserva de estarmos a fazer uma suposição que pode ser gratuita. Podemos estar a pensar que todos têm ou vão ter, enquanto não. Eu, às vezes, ando sem telefone”, disse Egídio Rego.

O Município de Maputo, através da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento, diz não haver volta a dar à esta realidade, abrindo espaço para descontar aos que trabalham e permanecem, por muito tempo, em vias abrangidas.

João Ruas, presidente do Conselho de Administração daquela empresa pública, diz que há multas e sanções para quem não pagar e garante haver mecanismos de fiscalização e controlo dos utentes.

“Nós teremos uma viatura com a capacidade de fazer a leitura de cerca de 300 matrículas em 10 minutos, a passar, permanentemente, pelas avenidas. Portanto, a viatura passa, normalmente, a uma velocidade de 30 a 20 km/h e consegue, via scanner, identificar todas as matrículas. Essas matrículas são mandadas para a sala de controlo e as que estiverem pagas, são elegíveis”, explicou.

João Ruas garante que, caso seja paga a taxa pelo estacionamento, “tudo bem”, mas caso o automobilista se recuse a efectuar o pagamento, “nós utilizamos, também, as disposições municipais e bloqueámos a viatura e/ou aplicamos a multa”.

O Município diz, ainda, que não é sua responsabilidade proteger os carros na via pública.

A área cobrável pelo estacionamento rotativo parte da Av. 24 de Julho até a baixa da cidade de Maputo e do Museu da Geologia e Minas até a área do edifício sede do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS).

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos