O País – A verdade como notícia

Escolas e lojas voltam a fechar na Áustria

O governo austríaco anunciou hoje que a partir de terça-feira, as escolas e o comércio não essencial voltam a fechar na Áustria, duas semanas após o estabelecimento de um bloqueio parcial que não permitiu conter a propagação do Coronavírus no país.

Com as novas restrições, a população austríac só poderá sair de casa para trabalhar, por razões de saúde ou para fazer compras essenciais. As viagens para o exterior só serão permitidas em circunstâncias específicas (compras, motivos profissionais e médicos, desporto ou passeios). As lojas também terão de fechar as portas, com excepção de mercearias, farmácias, bancos, correios e outras actividades consideradas essenciais. No que se refere à educação, as escolas de ensino fundamental e médio oferecerão ensino a distância.

“Novas restrições serão impostas. A partir de terça-feira até 6 de Dezembro será estabelecido um confinamento como o da primavera”, declarou o ministro das Relações Exteriores, Sebastian Kurz, em uma entrevista coletiva em Viena, escreve a Euronews.

Detalhando as medidas, o chanceler acrescentou que os contatos devem ser evitados ao máximo.

“Não tenham encontros. Qualquer contacto social já é um contacto a mais”, apelou à população o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, citado pela Euronews.

No início de Novembro, um recolher noturno foi imposto. Restaurantes, museus, salas de concerto e instalações desportivas foram fechadas, porém os casos da COVID-19 continuaram aumentando.

Nos últimos sete dias, a Áustria teve a maior taxa mundial de infecções por habitante. Onze vezes maior do que o valor indicado como aceitável pelas autoridades de saúde, escrve a Euronews.

Para o diretor do centro de sistemas microbiológicos e ambientais da Universidade de Viena, “durante o verão ficou-se com a impressão de que as pessoas não levavam a doença a sério”. Michael Wagner espera que se aprenda com esse erro e diz que a alternativa é “ficarmos condenados a repetir o ciclo de aliviar e endurecer o confinamento”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos