O País – A verdade como notícia

Empreiteiro é incapaz de concluir os alpendres no grossista de Zimpeto  

Foto: O País

Está atrasada por 10 meses a obra de construção de alpendres para vendedores no mercado grossista do Zimpeto, em Maputo. O Município de Maputo diz que decorre um processo contra o empreiteiro por incumprimento de contrato.

O dia 6 de Junho de 2021 era o prazo estipulado para a entrega do galpão que albergaria parte dos mais de 400 vendedores no mercado grossista de Zimpeto, na Cidade de Maputo, uma obra que, segundo indica a placa, teria a duração de 8 meses. Sucede, porém, que quase um ano depois as obras continuam paradas.

Trata-se de uma infra-estrutura orçada em mais de 29 milhões de Meticais, dos fundos próprios do Município de Maputo, que fazem parte do projecto de requalificação do mercado.

No local, só é possível ver pilares e mais pilares, e os mais de 400 comerciantes que vendem ao relento e nestas condições, já perderam a esperança de ver os seus produtos protegidos.

“Trabalhar nestas condições é muito difícil. Aqui, quando chove o produto molha e quando há calor, igualmente, o produto sofre. Veja que nós vendemos vegetais, sensíveis ao calor e à chuva, mas não temos o que fazer. Neste mercado pagamos, diariamente, 150 Meticais pelo bilhete. Mesmo assim, não temos nada de bom aqui”, disse a vendedora Arsélia Nacudinba, que comercializa repolho e cenoura a grosso.

Com a chuva que se faz sentir, nos últimos dias, um pouco por todo o país, aqueles importadores usam lonas para proteger os seus produtos. É um salve-se quem puder, como disse, indignado, Xadreque Maculane.

“Haviam prometido que ainda este ano teríamos o alpendre, mas vemos a obra parada e não sabemos o que se está a passar. Quando há chuva nós esticamos lonas, sobrinhas e outras coisas para podermos proteger os nossos produtos, senão perderemos toda a mercadoria”.

Um outro importador contou ao “O País” que procurou saber sobre a conclusão da construção do galpão e soube que o empreiteiro responsável pela obra está a responder a um processo judicial.

“É um problema que há muito tempo preocupa-nos. Junto da administração e outras reuniões que temos com as estruturas, procuramos saber do ponto de situação da construção do alpendre. Mas parece que o empreiteiro está na barra da justiça, por isso não se avança aqui”, referiu o comerciante Abílio Marima.

Há que recordar que, em Abril de 2021, o Município de Maputo justificou o atraso da obra pelo facto de a cobertura da infra-estrutura estar a ser produzida na vizinha África do Sul. Mas, através de uma chamada telefónica, o Vereador para a área Desenvolvimento Económico Local, no Município de Maputo, Danúbio Lado, disse que o empreiteiro responsável pela obra, a Zaida Construções Limitada, demonstrou incapacidade em concluir a obra e, neste momento, decorre um processo administrativo por forma a encontrar uma solução para o impasse.

Questionado sobre o tipo de incapacidade apresentada pela “Zaida Construções Limitada”, Lado remeteu à construtora para obter mais detalhes, apenas tendo dito que “vê-se no terreno que nada ocorre e o contrato já venceu faz tempo, por isso o Conselho Municipal está a tomar medidas para garantir a conclusão das obras”.

O galpão em questão apenas tem a capacidade de albergar 78 viaturas, dependendo da arrumação e, para os outros, prevê-se a construção de mais um galpão e espera-se que seja lançado o concurso ainda este ano.

Contudo, enquanto não se resolve o impasse com o empreiteiro, os vendedores no mercado grossista do Zimpeto continuarão trabalhando ao relento, faça chuva, faça sol.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos