O País – A verdade como notícia

Em breve, circulação de “tchovas” só será permitida mediante um livrete em Maputo

Foto: O País

Inicia, em Outubro próximo, o cadastro e licenciamento dos veículos de tracção manual, vulgo “tchova”, cuja circulação, das 4h às 18h, só será permitida mediante apresentação de um livrete e só para fins comerciais na zona nobre da cidade de Maputo e a fiscalização começará em 2022. Até ao próximo ano, os operadores serão treinados e ser-lhes-ão atribuídas licenças de condução e fiscalização do cumprimento de normas pelo Município.

Aprovada inicialmente pela Assembleia Municipal da Cidade de Maputo em 2005, a postura sobre veículos de tracção manual nunca foi publicada no Boletim da República, por isso nunca entrou em vigor.

No entanto, em Maio deste ano, o documento em referência foi revisto e aprovado pelo órgão judicial da edilidade de Maputo e será publicado no fim deste mês, devendo vigorar a partir de 15 de Outubro próximo, segundo avançou, na última sexta-feira, o vereador de Mobilidade, Transportes e Trânsito no Município de Maputo, José Nichols.

“A publicação será feita até aos finais deste mês e a entrada em vigor será praticamente nos meados de Outubro. Depois disso, vai seguir um plano do município no sentido de que, num prazo de três a seis meses, ainda não temos definitivamente esta decisão, possa ser feita a divulgação e contamos que, no primeiro trimestre de 2022, efectivamente a postura já esteja em vigor na sua íntegra”.

Na Praça dos Combatentes, vulgo Xiquelene, vê-se a abundância dos automóveis de tracção manual a servirem para vários fins, uns carregam resíduos sólidos, outros levam consigo produtos alimentares. Porém, chama atenção como os “tchovas” partilham a estrada com os veículos convencionais ou a motor, uma autêntica disputa pelo asfalto e um ziguezague acompanhado por buzinadelas.

Na baixa da Cidade de Maputo, o jornal “O País” conversou com Afonso Mapswanganhane que, desde 1995, tem o seu sustento no “tchova” e concorda com a iniciativa municipal, mas receia que seja uma estratégia para banir a actividade. “É porque, às vezes, eles apertam para conseguir mandar-nos embora”.

Francisco Albino, também operador de “tchova”, diz não haver problemas no licenciamento. “Nós só ouvimos falar sobre isso agora, porém ainda não temos conhecimento sobre como é que será o processo. Vamos recebê-los e, se for para pagar, vamos cumprir, basta não ser caro, porque não ganhamos nada aqui.”

À luz da postura municipal, os “tchovas” terão matrícula e um livrete e o operador terá uma licença de condução mediante o pagamento de 1500 meticais, válidos por dois anos. Entretanto, nos primeiros seis meses, o licenciamento será grátis, o que quer dizer que não se paga nada. “Portanto, são taxas que já comportam aquilo que é a situação actual e a nossa perspectiva é que, na altura da divulgação, possamos esclarecer exactamente quais são os valores e os procedimentos a seguir. São taxas que consideramos acessíveis para a actividade realizada”, esclareceu José Nichols.

A postura municipal determina que os veículos de tracção manual vão circular das 4h às 18h e este horário é o que divide os operadores dos “tchovas”, visto que são usados para o comércio informal no período nocturno.

O Município de Maputo estima que, só na zona de KaPfumo, circulam diariamente cerca de 400 veículos de tracção manual.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos