O País – A verdade como notícia

Ei-la, a “orelhuda”: inspirem-se!

Fotos: O País

O troféu da “Champions League” foi apresentado sexta-feira e sábado aos moçambicanos por Clarence Seedorf, no quadro do Tour da Taça da Liga dos Campeões promovido pela Heineken, patrocinador oficial da maior prova de clubes do mundo.

“Die Meister/Die Besten/Les grandes équipes/The Champions!”. Traduzido: “Os mestres/Os melhores/As grandes equipas/ Os campeões!”.

“The Champions”, uma adaptação de Tony Britten da música “Zadok the Priest” de George Frideric Handel, é de toda inspiradora!  Estimula campeões e estrelas de todo o planeta. Os versos soaram no átrio do Conselho Municipal de Maputo.

Tão só para acompanhar a entrada do troféu mais ambicionado das provas de clubes em todo o mundo esteve no país durante três dias. E nada melhor que Clarence Seedorf para apresentá-lo.

É que a estrela dos País Baixos não só é embaixador da Taça da Liga dos Campeões como também carrega consigo o estatuto de único jogador a conquistar a “Champions” três vezes em três clubes diferentes.

Seedorf açambarcou o troféu pela dinâmica equipa do Ajax (1994-95), galática do Real Madrid (épocas 1996-1997) e formidável do AC Milan (2003-2004).

É obra! Pelo que é reconhecido como embaixador do “Tour da Taça da Liga dos Campeões” que escalou de 7 a 9 de Abril a capital do país.  E, no primeiro contacto com o movimento desportivo moçambicano, uma menção, como não podia deixar de ser, a duas lendas do futebol nascidas em Moçambique: Eusébio da Silva Ferreira e Mário Esteves Coluna. “Futebolistas como Eusébio e Mário Coluna fizeram história na prova, vencendo a competição. Trata-se de duas grandes referências da Liga dos Campeões. Queremos que haja mais jogadores de alta qualidade como Eusébio e Coluna”, reconheceu Seedorf na conferência de imprensa de apresentação da Taça da Liga dos Campeões.

A cosmopolita cidade de Maputo faz parte de um grupo de quatro cidades escolhidas para receber a Taça da Liga dos Campeões, nomeadamente Adis-Abeba, na Etiópia, e Lagos e Abuja, na Nigéria.

Depois, o troféu segue a Paris, palco da final da edição 2021-2022 da Liga dos Campeões!  O Stade de France foi o local escolhido para acolher do jogo decisivo da mais importante competição de clubes da Europa. O estádio tem a capacidade de abrigar 79.959 torcedores. Foram gastos 407 milhões de euros na construção.

A decisão foi forçada pela evolução do conflito entre a Rússia e a Ucrânia. De resto, o jogo decisivo havia sido marcado  para  São Petersburgo.  Actualmente,  é pouco utilizado por equipes de futebol, apenas para amistosos da seleção francesa defutebol, devido à preferência dos clubes pelo Estádio Parc des Princes, mais próximo do centro de Paris. Foi a sede da Final da Copa do Mundo de Rugby de 2007 e de outras partidas da mesma competição. Também é utilizado para shows e já recebeu grandes espectáculos de diversos artistas como Madonna, Beyoncé, U2, Rihanna e Coldplay, entre outros. No rugby, este hospeda regularmente jogos do calendário nacional e internacional como a final do Top 14 e os jogos da seleção francesa de rugby.

 

 

HEINEKEN QUER INSPIRAR TALENTOS NACIONAIS

Trazer a Taça da Liga dos Campeões enquadra-se na responsabilidade social da Heineken. Mais: proporcionar aos amantes de futebol moçambicano um momento ímpar para se inspirarem em histórias de sucesso.

“Para nós, Heineken, é um orgulho testemunhar a presença deste troféu e da lenda do futebol europeu Clarence Seedorf que já levantou a mesma em quatro ocasiões. Hoje- sexta-feira- ao recebermos estes grandes símbolos da Liga dos Campeões da UEFA, confirma-se o nosso anseio de enraizamento na sociedade moçambicana que é grande apreciadora do futebol europeu, principalmente desta competição”, notou Neyde Pires, directora dos Assuntos Corporativos da Heineken Moçambique.

O Governo agradece. E faz fé para que este movimento desperte as estrelas nacionais para atingirem grande patamares, tal como de Reinildo Mandava, jogador do Atlético Madrid que está nos quartos-de-final da prova onde vai disputar o jogo da segunda mão do Wanda Metropolitano diante do Manchester City em vantagem de 1-0 na eliminatória.

“É uma honra receber esta Taça. Espero que, com este gesto, a passagem de tão emblemático símbolo do futebol, alguma coisa a mais fique em termos de referência e aquilo que temos no nosso futebol”. Palavras de Carlos Gilberto Mendes, secretário de Estado de Desporto. Numa tarde cinzenta na capital do país, fez-se uma passeata por várias artérias para a exibição da chamada “orelhuda” naquela que foi a primeira etapa do “Tour” no país.

Seedorf dirigiu ainda um networking, perante centenas de convidados, para além de ter deixado fotografar ao lado de todos aqueles que se dirigiram sábado ao Conselho Municipal de Maputo para verem “in loco” a chamada “orelhuda” na parada da mesma.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos