O País – A verdade como notícia

Educação profissional no país passa a ser certificada pela ANEP

Graduados e docentes do ensino de educação profissional no país passam a ser certificados pela Autoridade Nacional de Educação Profissional (ANEP), entidade pública que também é responsável pela implementação do sistema de garantia de qualidade, no âmbito das reformas em curso no sector.

Com efeito, diz a AIM, a partir de 16 de Junho a emissão dos certificados dos graduados dos níveis básico e médio do ensino técnico-profissional passará a ser feita pela ANEP, nos termos da Lei da Educação Profissional.

Segundo o Ministro da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP), Jorge Nhambiu, a nova legislação confere poderes à ANEP para estabelecer um sistema de gestão de informação e cadastro dos candidatos, bem como o registo de acções formativas dos provedores da educação profissional.

“A educação técnico-profissional é uma questão de bandeira na nossa governação e nós estamos a fazer esforços para que o que foi prometido seja uma realidade. A lei foi aprovada em 2016, teve dois anos de conformação e, a 16 de Junho deste ano, todas as instituições de educação profissional devem se conformar com ela”, disse Nhambiu.

À luz deste instrumento normativo compete ainda à ANEP assegurar que os investimentos na área de educação profissional sejam compatíveis com a sua política estratégia, bem como proceder ao registo e acreditação dos provedores e dos avaliadores deste sistema de ensino.

A revisão da Lei da Educação Profissional veio se juntar ao Decreto nº 28/2017, de 11 de Julho, Regulamento sobre o Licenciamento de Instituições de Educação Profissional, que estabelece as normas para a criação de uma instituição de educação profissional, bem como as qualificações necessárias para os formadores e directores destes organismos.

“Em termos de formadores é necessário que tenham um curso de formação adequado. Os directores das escolas técnicas devem ter o nível A; os formadores do nível técnico médio devem ser do B e os docentes de nível básico devem ser da letra C”, sublinhou Nhambiu.

As reformas legislativas vêm se juntar aos esforços do Governo visando a reabilitação, apetrechamento e modernização das instituições do ensino técnico-profissional, de modo a promover maior qualidade e relevância ao processo de ensino e aprendizagem.

As intervenções envolvem, na sua maioria, escolas voltadas para a formação de técnicos nas áreas de agricultura, electricidade, mecânica, soldadura, hotelaria e turismo, petróleo e gás, bem como na formação de docentes e gestores das instituições do ensino profissional. Nos próximos tempos, o MCTESTP espera investir pouco mais de 62 milhões de euros na reabilitação e modernização de institutos e escolas técnicas nas províncias de Niassa, Tete e Sofala, Inhambane e cidade de Maputo, em resultado do apoio dos parceiros de cooperação.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos