O País – A verdade como notícia

É possível viver bem com epilepsia

Foi em 2012 que Ilka Pondeca, de 22 anos de idade, teve as primeiras manifestações de epilepsia. Entretanto, quando se dirigiu à unidade sanitária, recebeu um diagnóstico diferente. ”Disseram que tinha psicose. Comecei a fazer o tratamento e até fiquei internada durante três meses. Ainda assim, não melhorava”, lembra.

Além de dor de cabeça muito forte, a jovem tinha longas crises de ausência: “Eu ficava desligada do mundo à minha volta e fixava o meu olhar num lugar durante muito tempo. Nos últimos tempos, podia ficar cinco a seis horas nesse processo e, quando voltava à realidade, não lembrava do que aconteceu, era como se fosse um apagão”.

Foi por recomendação de amigos e familiares que os pais decidiram levá-la à República da África do Sul, onde lhe diagnosticaram epilepsia. “A partir daí, comecei com o tratamento. numa primeira fase, tomava um cooktail de medicamentos, que foram reduzindo à medida que a doença foi ficando controlada”, disse.

Conhecida em muitos pontos do país como doença da lua, a epilepsia é hoje uma das doenças neurológicas mais comuns no mundo. Dados recentes da Organização Mundial da Saúde indicam que cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem da doença crónica, sendo que 80 por cento dos casos são registados em países em vias de desenvolvimento.

Em Moçambique, a doença é uma das principais causas de procura pelos serviços de psiquiatria. Em 2016, pelo menos 65 mil pessoas foi-lhes diagnosticada epilepsia. A doença pode atingir homens, mulheres e crianças de todas as idades. De acordo com a psiquiatra Luciana Massinga, as complicações durante o parto, infecções cerebrais: meningite, encefalite, malária cerebral, aumentam o risco de ter epilepsia.

As crises de ausência são um tipo de crise epiléptica mais comum em crianças do que em adultos. Mas o sinal mais comum e preocupante são as crises convulsivas, em que a pessoa chega a perder completamente os sentidos. “O paciente pode dar um grito e perder a consciência. Posto isto, pode cair de forma brusca e chegar a magoar-se. Durante a queda, pode apresentar movimentos iguais e simultâneos nos braços e pés. Alguns podem ter mordedura da língua e apresentar hipersalivação. No final da crise, ele sente-se relaxado, de tal forma que pode urinar ou defecar”, explicou.

O receio em relação ao surgimento de crises convulsivas descontroladas faz com que os doentes tenham limitações e sejam estigmatizados. Ilka, por exemplo, teve de fazer várias mudanças na sua rotina. A mais difícil foi parar de estudar. “Também deixei de ir à praia, sair com amigos e passei a precisar do auxílio da minha família para tudo”, disse.

A epilepsia não tem cura, mas pode ser controlada a partir de uma medicação que será feita ao longo da vida, dependendo do tipo de crises que cada paciente apresenta.

A jovem hoje tem a doença controlada e só toma um comprimido por dia. Frequenta o terceiro ano do curso de licenciatura em Direito e voltou a ter independência. “Agora, faço as mesmas coisas que tive de parar de fazer quando não tinha a doença controlada. Tenho uma vida normal, porque é possível viver bem com epilepsia", garante.

Estigma prejudica controlo

A epilepsia é conhecida em muitos pontos do país como doença da lua e, não raras vezes, é associada a questões do obscurantismo e, em muitos pontos do país, acredita-se que o tratamento para a doença está na medicina tradicional. “Há pessoas que não vão às unidades sanitárias quando têm manifestações epilépticas, recorrem à medicina alternativa. Temos essa consciência, por isso, trabalhamos com líderes comunitários e com os médicos tradicionais, para que essas pessoas possam ser encaminhadas aos hospitais, porque lá existe a resposta para este problema”, disse a psiquiatra e chefe do Programa Nacional de Saúde Mental, Lídia Gouveia. De acordo com especialistas, a forma como a sociedade olha para a doença faz com que haja barreiras no diagnóstico e tratamento da doença, daí que o combate ao estigma contra as pessoas epilépticas continua a ser uma das grandes lutas. Em 2014, o Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Mundial da Saúde, iniciou o programa Nacional de Luta contra a epilepsia, nas províncias de Maputo, Niassa, Nampula, Zambézia, Sofala e Gaza, com o objectivo principal de garantir um tratamento de baixo custo às pessoas que sofrem da doença. Volvidos três anos da sua implementação, o aumento de casos diagnosticados é considerado o principal ganho, entretanto, o diagnóstico precoce, o aumento de profissionais de saúde especialistas em saúde mental e a expansão do acesso aos medicamentos continuam a ser os principais desafios na luta contra este problema de saúde pública mundial chamado epilepsia.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos