O País – A verdade como notícia

Duplo-duplos de Ingvild e Odélia silenciam  “Cairo Stadium Indoor”

Ingvild Mucauro, com 25 pontos e 11 ressaltos, Odélia Mafanela, com 11 pontos e igual número de ressaltos, e Sara Ogoke, com 22 pontos e nove ressaltos, foram determinantes para a vitória esta terça-feira do Ferroviário de Maputo diante do Al Ahly do Egipto, por 84-73, em jogo da terceira jornada do grupo “A”. As campeãs africanas em título fecham, desta forma, a primeira fase invictas e na primeira posição.

 PAULINE AKONGA “KO”

Sem poder contar ainda com os préstimos da congolensa Pauline Akonga, devido a grande pressão  do Interclube, clube com o qual a jogadora terminou o contrato a 30 de Novembro e o Ferroviário de Maputo, cauteloso, teve  o cuidado de inscrevê-la depois deste período, Carlos Aik apostou no seguinte cinco contra o Al Ahly do Egipto: Onélia Mutombene, Ingvild Mucauro, Sara Ogoke, Deolinda Gimo e Odélia Mafanela.

No primeiro quarto, o Ferroviário de Maputo saiu a vencer com o parcial de 23-18. Nesta etapa, destaque para Sara Ogoke com nove pontos contabilizados.

Com 08:07 minutos por se jogar no segundo quarto, o parcial era de 20-26, sendo que nesta fase Carlos Aik lançou para o jogo Cecília Henriques, fazendo refrescar Deolinda Gimo.
Liderado pela americana Kelsey Mitchel (com 10 pontos no final da primeira parte), as egípcias pressionaram e reduziram para um ponto (26-25) com 07:16 minutos por se jogar no segundo quarto.

As campeãs nacionais fizeram os ajustes defensivos. Ofensivamente, a equipa esteve mais clarividente e fugiu para 13 pontos (39-26) com 02:03 minutos por se jogar nesta etapa.  O parcial, no final dos dois primeiros quartos, era de 41-30. A nigeriana Sara Ogoke continuava a desequilibrar, terminando a primeira parte com 14contabilizados. Perto de um duplo-duplo, ou seja, 11 pontos e sete ressaltos, Odélia Mafanela foi uma jogadora preponderante na equipa moçambicana nos dois primeiros quartos.

Os dados estatísticos, no final da primeira parte, indicavam: 15/43 nos lançamentos de campo (34.88%),  5/13 nos tiros exteriores (38.43%) e 6/8 na linha de lances livres (75%).

O Al Ahly, esse, apresentou-se com 8/26 nos lançamentos de campo (30.77%), 2/13 nos tiros exteriores (15.38%) e 12/16 na linha de lances livres (75%).

As egípcias colectaram 265 ressaltos (seis ofensivos e 19 defensivos), contra 24 do Ferroviário de Maputo (11 ofensivos e 13 defensivos).

 OGOKE BRILHA

O terceiro quarto começou com o Al Ahly a procurar pressionar o seu adversário na perspectiva clara de reduzir a diferença pontual.  As anfitriãs forçaram a equipa moçambicana a cometer alguns erros e, com 04:27 minutos por se jogar, a diferença era cinco pontos: 47-42.

Individualmente, Sara Ogoke e Kelsey Mitchel desequilibravam na quadra do Cairo Stadium Indoor Hall 3. Com 02:11 por se jogar nesta etapa, o Al Ahly do Egipto reduziu para um ponto: 50-49.

Cecília Henriques, com dois pontos, colocou novamente o Ferroviário de Maputo em vantagem: 55-53.  A fechar o terceiro quarto, Ingvild Mucauro, totalista nos três primeiros quartos, deu vantagem de quatro pontos as campeãs nacionais: 57-53.

O quarto quarto começou equilibrado, com a diferença a estar entre um e três pontos. Com 05:03 por se jogar, o jogo estava empatado e com a melhor unidade, Sara Ogoke, no banco. Com Ingvild Mucauro e Deolinda Gimo em destaque, o Ferroviário de Maputo voltou a ter uma vantagem de sete pontos, quando haviam 01:40: 77-71.

Com um duplo-duplo, Ingvild Mucauro, 25 pontos e 11 ressaltos, e Odélia Mafanela, 11 pontos e igual número de ressaltos, estiveram em evidência neste embate. Destaque ainda para Sara Ogoke, nigeriana que contabilizou 22 pontos e nove ressaltos.

No Al Ahly do Egipto, as americanas Kelsey Mitchell, com 30 pontos, e  Schaquilla Nunn com duplo-duplo (15 pontos e 16 ressaltos) foram os destaques.
 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos