O País – A verdade como notícia

Drogas continuam a encurralar jovens e adultos  em Nampula

Há mais de 20 anos em que um técnico de construção civil tenta livrar-se das drogas pesadas, mas não consegue. Perdeu a família e amigos e hoje sente-se um “vadio”. O jornal “O País” traz-nos uma história de um homem que, devido à toxicodependência, perdeu tudo menos nada.

Gilberto Namuraha é o personagem principal de uma história de drama que faz questão de registar em versos e espera poder publicar um dia em forma de livro. O técnico de construção civil de 49 anos de idade é dependente de drogas pesadas há mais de 20 anos.

Namuraha conta a sua experiência com o consumo de drogas. “Estou a falar de drogas pesadas, heroína, concretamente, injectável ou inalada. É essa droga que nos matou”, disse Gilberto Namuraha, ressentido do consumo de estupefacientes.

O homem conta que começou a consumir drogas na juventude, ainda na cidade de Nampula, continuou em grande escala já em Quelimane e tornou-se toxicodependente na cidade de Maputo. Formou-se no Instituto Industrial, trabalhou na construção civil, casou-se e teve um filho, mas a droga tirou-lhe praticamente tudo, incluindo amigos que partiram para sempre.

“Morreram grandes amigos, um chamado Rogério Fenita e outro Victor Hugo, pessoas próximas”, lamentou Namuraha.

O pior de tudo foi ver a sua família a destruir-se por conta do vício, facto que levou Gilberto Namuraha ao arrependimento.

“Pedi desculpas à minha família, especialmente à minha mulher e ao meu filho”, disse Namuraha.

Este é um dos milhares de casos de toxicodependência em Nampula, província que continua a ser uma das portas de entrada de drogas pesadas no país. Esta terça-feira, o Serviço Nacional de Investigação Criminal incinerou, mais uma vez, drogas apreendidas nos últimos meses, em Nacala-Porto e na cidade de Nampula.

“Estamos a falar de 85 quilogramas de metanfetamina e um quilograma de canábis sativa”, revelou Enina Tsinine, porta-voz do SERNIC em Nampula.

O que parece faltar sempre é o olhar da perícia para encontrar os barões da droga. Até aqui, fala-se de apenas dois detidos relacionados com a droga ora incinerada.

O consumo de drogas, sobretudo as consideradas pesadas, está cada vez mais a deixar jovens e adultos num beco sem saída da toxicodependência, uma realidade que nem as autoridades conseguem controlar.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos