O País – A verdade como notícia

Doze mil pessoas sem habitações na Zambézia

Pelo menos 12 mil pessoas ficaram sem casas na Zambézia, em consequência do ciclone tropical “Eloise”. A informação foi revelada por Max Tonela, ministro dos Recursos Minerais e Energia e chefe da brigada do Governo, para avaliar o impacto da tempestade na província.

Max Tonela explicou que, para além da destruição de habitações, várias escolas e infra-estruturas de fornecimento de corrente eléctrica foram afectadas.

Devido à situação, cerca de 33 mil clientes da empresa Electricidade de Moçambique (EDM) na Zambézia ficaram sem corrente eléctrica. O problema será ultrapassado brevemente.

Dos quatro distritos afectados pela intempérie, apenas o distrito de Chinde continuava totalmente sem energia até ao princípio da noite desta segunda-feira.

Além da Zambézia, a província de Sofala foi igualmente afectada pelo “Eloise”. A cidade da Beira ficou algumas horas sem energia, com a paralisação do funcionamento da subestação da Munhava para evitar danos.

“Também tivemos danos em Búzi, Muxúnguè, entre outros” pontos do país “que se encontram sem energia até ao momento”, afirmou o ministro.

“Temos também situação idêntica na zona sul do país, concretamente província de Inhambane”, onde distritos como Vilanculo e Govuro foram que afectados, bem Machanga, em Sofala, de acordo com o dirigente.

DISTRITO DE CHINDE SEM SERVIÇOS DE DADOS E VOZ  

Os serviços de dados e voz disponibilizados pelas operadoras de telefonia móvel ficaram afectados em resultado do ciclone “Eloise”. A vice-ministra dos Transportes e Comunicações, Manuela Rebelo, fez uma avaliação dos danos na Zambézia e disse que a Movitel e Vodacom já estão a funcionar, embora com pequenos problemas. O distrito de Chinde continua sem acesso aos serviços de dados e voz.

“Em Quelimane está uma grande equipa” para resolver o problema. “A província de Nampula está afectada” e parte depende da solução a ser encontrada na Zambézia.

Na quarta-feira, as equipas de trabalho voltarão a reunir-se para avaliar o que já foi feito e encontrar soluções para os problemas que persistirem.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos