O País – A verdade como notícia

Direcção do hospital Habel Jafar reconhece ter violado a ética

Duas versões, mesmo caso. Depois da mãe da pequena Flora, que morreu em circunstâncias estranhas, alegadamente devido à demora no atendimento por parte dos profissionais de saúde do Hospital Habel Jafar, a direcção desta unidade sanitária mostra a outra face da história.

A notícia caiu que nem uma bomba. Ouvindo o relato trágico de uma mãe que percorreu quase dois quilómetros com o cadáver da filha nas costas, alegadamente por ordens dos profissionais de saúde, onde fora atendida.

O caso mexeu com a estrutura da saúde a nível do distrito de Maputo, estrutura do bairro e a direcção do hospital visado (Hospital Habel Jafar).

A direcção daquela unidade sanitária reconheceu, esta quarta-feira, em exclusivo ao jornal O País, que violou a ética médica no caso da morte estranha da pequena Flora Macura, justificando, que foram movidos por questões emocionais.

“Ela (mãe da Flora) deu entrada no hospital bem agitada e com a criança já sem vida. A equipa médica fez de tudo para tentar salvar a menor. Mas quando declaramos óbito, a mãe fez muita confusão para levar a criança consigo”, disse Yolanda Solomone, directora-geral do Hospital Habel Jafar.

Atirando, de seguida, total responsabilidade a mãe da menor, que voltou à casa com o cadáver da filha nas costas. “Nós tentamos convencer a progenitora a desistir da ideia de levar o cadáver para casa”.

Frustradas as tentativas de convencer a mãe, a direcção do hospital reconhece que violou a ética ao permitir que o corpo da menor fosse levado à casa. Ou seja, alegadamente, cedeu a pressão emocional da progenitora.

“A equipa toda entrou em choque, o lado emocional pesou. Em termos de procedimento médico, admitimos que não foi correcto deixar a mãe carregar o cadáver da filha para casa. Acabamos cedendo por questões emocionais”, contou a responsável do Hospital Habel Jafar, secundada pelo director distrital da Saúde, Francelino Devesse.

Por seu turno, o enfermeiro que atendeu a mãe da pequena Flora Macura, disse que a senhora estava inconsolável, e que terá mesmo disponibilizado o seu próprio telemóvel para esta solicitar ajuda aos familiares e informar o trágico acontecimento.

“Ela recusou toda ajuda. Estava muito alterada e fez muita pressão para levar o cadáver para casa. Infelizmente permitimos que isso acontecesse, mesmo sabendo que não era o procedimento eticamente correcto”, secundou Zefanias Sitoe, enfermeiro que atendeu os primeiros gritos de aflição da progenitora da Flora Macura.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos