O País – A verdade como notícia

“Deve-se corrigir rapidamente, não se pode esperar muito”, diz Guebuza sobre erros no livro da sexta classe

O antigo Presidente da República, Armando Guebuza, diz ser urgente corrigir os erros contidos no livro da 6ª classe para a reposição da identidade do país. Já o general Hama Thai aponta negligência, comodismo e incompetência como factores que podem justificar os problemas.

A cada dia que passa, mais erros e erros são achados no livro da 6ª classe. As opiniões continuam a chegar de todos os cantos. E, hoje, o “O País” ouviu o posicionamento de algumas personalidades, com destaque para o antigo Presidente da República, Armando Guebuza. O ex-Chefe do Estado disse ser tempo de falar menos e trabalhar mais para não correr atrás do prejuízo. 

“Isso se deve corrigir. Não dá tempo para mais nada. Trata-se da nossa identidade, da nossa nacionalidade e da nossa cidadania. Deve-se corrigir rapidamente, não se pode esperar muito. Fala-se e fala-se, mas deve ser já corrigido. Coitado das crianças que passaram seis meses a aprenderem aquelas coisas. O que se vai fazer? Encontre-se uma maneira de corrigir. O povo tem que não perder a sua identidade”, avançou Armando Guebuza, antigo Presidente da República.    

Sobre os culpados pelos erros nos manuais, Armando Guebuza escusa-se a apontar o dedo. “Eu não sou juiz. Não sou juiz”, respondeu o antigo Chefe do Estado.

Aliás, não foram só duas vezes que Guebuza disse não ser juiz. Questionado sobre a realização das eleições distritais de 2024, o antigo Presidente respondeu nos seguintes termos: “Não sou juiz”.

Voltando aos livros, o general e docente universitário, António Hama Thai, aponta prováveis elementos que explicam os erros contidos no manual da sexta classe. “Um, comodismo de quem é responsável, outro, negligência e terceira hipótese pode ser mesmo incompetência”, enumerou o general António Hama Thai.

Para sustentar o seu pensamento, Hama Thai argumenta que “ficou com a ideia de que as equipas técnicas ligadas ao livro se acomodaram ou negligenciaram. Então, não é entendível, para mim, que nós estamos a elaborar um livro que se destina a formar o futuro do país e se negligencia desse jeito ou pelo menos que não haja uma fiscalização técnico-científica para verificar essas coisas”.       

Hama Thai sugere que haja uma investigação para se verificar se, de facto, houve erro humano ou sabotagem, e os responsáveis devem pagar por isso.

“É preciso distribuir as responsabilidades. Temos que saber quem é o responsável por isso e como ele paga. Na realidade, a solução aritmética seria a substituição por uma edição corrigida, porque não estou a ver capacidade de distribuir uma errata para os distritos recônditos em todas as escolas do país. Além disso, colocar-se-á o problema de custos e estes deviam ser imputados à parte desses que cometeram essa gafe imperdoável”, sugeriu o general e docente universitário.    

A gafe pode até ser imperdoável, mas, para a antiga ministra dos Negócios Estrangeiros, Segurança Social e Ambiente, Alcinda de Abreu, os erros são humanos. “Eu fico surpreendida como vocês andam tão atrás de erros. Vocês sabem quem é o responsável por escrever livros. Por que é que vocês, com esta coragem de abordar para saber a verdade, não vão perguntar aos que fazem o livro. Não perguntem a pessoas que são alheias a este processo. Errar é humano, mas, se vocês quiserem uma verdade, procurem-na nas fontes verdadeiras. Não queiram politizar uma situação que pode ser técnica”, justificou Alcinda de Abreu, ex-governante. 

Os intervenientes falavam à margem do simpósio dos 55 anos do destacamento feminino, organizado pela Universidade Pedagógica de Maputo.   

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos