O País – A verdade como notícia

Detidos indivíduos que agrediram agente da PRM e roubaram arma e dinheiro

Foto: O País

Dois dos cinco indivíduos que agrediram um agente da PRM e apoderaram-se da sua arma, do tipo AKM, no passado dia 1 deste mês, e roubaram cerca de três milhões de Meticais numa fábrica de chinelos na Beira, de um investidor chinês, foram detidos pela corporação. Os dois confessaram o crime, mas um deles negou a sua participação na agressão e roubo da arma.

Dois dos seis integrantes do grupo pertencem a uma agência de segurança privada, aliás eles estavam em serviço no dia do assalto. Os dois suspeitos foram detidos no passado fim-de-semana. Um deles confessou o crime e contou que o assalto começou a ser orquestrado cerca de 10 dias antes quando o mesmo entrou em contacto com o seu primo, o outro detido, e com quem vivia, para encontrar os assaltantes, através de um amigo que se encontrava supostamente numa cadeia em Maputo.

“Ele comprou crédito e liguei para um amigo que está numa cadeia em Maputo. Expliquei a razão da minha ligação. Não tenho detalhes da conversa”, confessou o primo do segurança privado.

No dia seguinte, os dois seguranças foram contactados telefonicamente por três indivíduos que são os outros integrantes do grupo e marcaram o primeiro encontro que basicamente serviu para dar detalhes da entrada do dinheiro na fábrica. Os detidos voltaram a encontrar-se cinco dias depois na residência dos dois, na presença do outro agente de segurança privada.

“Os três informaram-nos que ainda estavam a organizar-se para a execução do plano”, explicou o segurança detido.

O encontro seguinte, no dia 28 de Abril, serviu para programar a data e hora do assalto e, às 17 horas do dia 1 de Maio, foi executado e todos assaltantes trajavam a farda da segurança privada.

“Abrimos os portões para os nossos três amigos e entraram na fábrica antes de o gerente regressar de um passeio. Ficaram escondidos e, logo que o cidadão chinês chegou, demos indicações ao mesmo para entrarem em acção”, disse.

Durante o assalto, o agente da PRM referenciado chegou à fábrica para se juntar aos seguranças na protecção da infra-estrutura. “Um dos nossos amigos aproximou-se deste e derrubou-o. Arrancou-lhe a arma e, de seguida, pediu-me para o ajudar a levar o agente da polícia para o interior.”

Agrediram o agente da PRM e o abandonaram estatelado. Fugiram para uma viatura que aguardava por eles na parte exterior da fábrica.

“Dentro do carro, e já em movimento, disseram-nos que não conseguiram roubar nenhum dinheiro e entregaram-me 100 Meticais em moeda para servir de passagem e alegaram que, no dia seguinte, enviaram outros dois mil Meticais que serviriam de passagem para eu regressar à minha terra natal, província de Zambézia, e ficar lá escondido. No dia seguinte, eles estavam incontactáveis e enquanto eu aguardava pelos dois mil Meticais e o meu primo fomos detidos pela Polícia”, disse.

A PRM está a tentar localizar os outros integrantes do grupo que estão em parte incerta.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos