O País – A verdade como notícia

Desvios nas LAM terão atingido mais de 50 milhões de meticais

Os antigos gestores das Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) detidos na última segunda-feira podem ter desviado mais de 50 milhões de meticais da empresa. O esquema terá envolvido pagamentos indevidos a uma empresa de produção audiovisual.

António Pinto, antigo Presidente do Conselho Executivo das LAM e Hélder Fumo, antigo director financeiro da companhia, foram detidos na última segunda-feira, num caso sobre alegada gestão danosa que envolve pagamentos indevidos.

Na acusação do Gabinete Central de Combate à Corrupção, acolhida pela sétima secção do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo, consta igualmente Sheila Temporário, gestora da Revista Índico, detida na quarta-feira.

Pelo que “O País” apurou, durante os cerca de dois anos e meio em que Pinto e Fumo administraram as LAM, os dois gestores terão cometido a sobrefacturação na aquisição de bens e serviços, na companhia aérea de bandeira, até serem demitidos em Julho de 2018.

Os dois arguidos, terão sido responsáveis pela situação de falência técnica que a empresa se encontrava desde 2015. O aluguer de aeronaves na África do Sul, a um preço acima dos que são praticados no mercado africano, por exemplo, era um dos esquemas dos gestores.

Já, Sheila Temporário entra no caso, por ser a representante de uma agência de Marketing e Comunicação denominada Executive Moçambique, responsável pela publicação da Revista Índico.

A agência Executive Moçambique firmou um contrato de Marketing e Comunicação com custos mensais de aproximadamente 50 mil dólares norte-americanos às Linhas Aéreas de Moçambique, numa simples responsabilidade de apenas editar e publicar a revista que a cada dois meses era distribuída nos voos da LAM.

Por verificar que há um ilícito criminal, no caso que envolve os três arguidos, a sétima secção do tribunal Judicial da Cidade de Maputo acolheu a acusação, que culminou com a ordem de detenção.

O Ministério Público espera pelo julgamento, não somente deste caso, mas igualmente de todos outros sobre a corrupção.
 
De referir que as Linhas Aéreas de Moçambique ainda estão a enfrentar uma crise financeira, que já dura há mais de três anos.
 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos