O País – A verdade como notícia

Deslocados de Mocímboa da Praia ansiosos em regressar à casa

Desde que o Governo anunciou a recuperação da vila de Mocímboa da Praia, alguns sobreviventes dos ataques terroristas, que vivem na cidade de Pemba, capital de Cabo Delgado, estão ansiosos e impacientes em regressar à casa.

“Voltamos a ver Mocímboa da Praia através da televisão que mostrou o aeroporto, o quartel, o clube desportivo e o porto, e ficámos muitos satisfeitos pela libertação da nossa terra”, revelou Ngamo Salamate, uma deslocada que vivia em Mocímboa da Praia e que escapou em três ataques terroristas na aldeia Ncomangano e na vila de Palma.

A notícia deixou a maior parte dos deslocados de Mocímboa da Praia surpreendidos e, actualmente, aguardam apenas pelas orientações do Governo para poderem regressar às suas casas.

“Há muitos que querem voltar à vila de Mocímboa da  Praia desde que começámos a ouvir que o Governo já recuperou a vila. Eu mesmo estou ansioso e estou pronto para voltar a qualquer momento, mesmo que seja de bicicleta”, disse Abdala Omar.

Apesar da  recuperação de Mocímboa da Praia ter sido  publicamente anunciada pelo Governo, no dia 8 de Agosto último, através do Ministério da Defesa Nacional, alguns deslocados, que não se esquecem do terror vivido nos últimos anos, não acreditam que o grupo esteja fora da vila.

“A primeira coisa que queríamos ver são as nossas casas e praias e saborear o nosso peixe e as ostras que são características da vila e, só assim, podemos acreditar que Mocímboa da Praia está livre dos terroristas”, referiu Paulo Weng San, Presidente da Associação dos Naturais e Amigos de Mocímboa da Praia que, de seguida, apelou ao Governo para acelerar o combate ao grupo armado instalado no norte de Cabo Delgado desde Outubro de 2017.

Ocupada a 12 de Agosto de 2020, no terceiro assalto armado, Mocímboa da Praia, o local onde foi registado o primeiro tiro que deu início aos ataques terroristas em Cabo Delgado, foi a primeira zona libertada desde que iniciou uma operação conjunta com apoio militar do Ruanda, em Julho último.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos