O País – A verdade como notícia

Degradação do troço Milange-Molumbo compromete escoamento de produtos agrícolas na Zambézia

O ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Osvaldo Machatine, esteve ontem a trabalhar na via e, confrontado com a situação, anunciou para breve o início da terraplanagem da estrada.

Trata-se da Estrada Regional Número 558, que liga os distritos de Milange e Mulumbo, que, de há uns tempos a esta parte, vem registando uma degradação cada vez acentuada, comprometendo o escoamento de produtos agrícolas, na província da Zambézia.

No terreno, constata-se que os cerca de 100 quilómetros que ligam os dois distritos apresentam duas secções extremamente degradadas, em parte, devido à força da chuva que tem estado a cair nos últimos dias.

Transportadores e comerciantes, que operam naqueles distritos, considerados celeiros da província, devido à sua potencialidade produtiva, sobretudo nas culturas de feijão, milho, soja e gergelim, pedem intervenção do Governo, para melhorar a transitabilidade na via.

“Não temos alternativas, estamos a passar mal. Queremos intervenção do Governo para se acabar com isso. Estou aqui há dois dias parado, sem saber o que fazer. O meu camião não sai, porque enterrou”, disse João Santos, um transportador que a nossa reportagem encontrou numa das zonas do troço crítico.

Num outro ponto, a nossa reportagem encontrou Graciano Alfredo, um comerciante residente em Mulumbo. Desesperado, com mais de 50 sacos de milho, contou que comprou o produto, mas está há três dias encalhado e sem poder fazer nada para retirar a sua mercadoria.

GOVERNO APONTA SOLUÇÕES

O ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, esteve a avaliar o estado da via e parte das viaturas da sua comitiva ficaram encalhadas, tendo sido necessária a intervenção das comunidades locais para recolocá-las no trajecto.

Confrontado com a tralidade, Machatine anunciou que serão feitas as intervenções de melhoramento nas duas secções críticas do troço que deverão consumir pouco mais de 350 milhões de meticais.

“São obras de emergência. O empreiteiro terá que se esmerar nos trabalhos por forma a devolver a dignidade da população. Como sabe, a estrada está na zona de fronteira com o Malawi e nós não podemos permitir que a população opte pela vida no Malawi em detrimento da nossa, por conta das estradas”, disse João Machatine.

Desde Terça-feira, o empreteiro seleccionado para executar a intervenção já está, segundo Machatine, em processo de mobilização do equipamento para arrancar com as obras, que deverão durar 12 meses.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos