O País – A verdade como notícia

DDR avança sem prazos para o fim

O processo de Desmobilização, Desarmamento e Reintegração (DDR) dos guerrilheiros da Renamo segue sem prazo para o fim. O presidente daquele partido da oposição, Ossufo Momade, diz que o mais importante não é o prazo, mas sim o cumprimento do objectivo.

A Desmobilização, Desarmamento e Reintegração dos guerrilheiros da Renamo, conhecido por DDR, começou em Julho de 2019 em Satungira e tinha como meta abranger 5.200 homens e mulheres da força residual da Renamo, num prazo de 210 dias. O processo inclui a entrega de armas.

Devido a problemas financeiros, parou por quase um ano, tendo retomado em Junho do ano passado. Até aqui foram desmobilizados 1.345 e o processo decorre neste momento em Manica, sem prazo para o fim.

“Podíamos por dia desmobilizar 100 ou 200, mas neste momento estamos a desmobilizar pequenos números, por isso o processo vai levar mais tempo, enquanto cumprimos com as medidas sanitárias. Vamos continuar a desmobilizar pequenos grupos de 20, 30 para que possamos avançar”, esclareceu Ossufo Momade, presidente da Renamo, que deu a saber que neste momento, “aqui, não é necessariamente o prazo [que interessa], mas sim que cumpramos aquilo que é o nosso propósito”.

E o principal propósito é a paz e a reconciliação nacional, tal como disse Ossufo Momade, falando esta quarta-feira numa conferência de imprensa depois de quatro dias de trabalho na província de Nampula, cuja agenda central era fazer o acompanhamento da reinserção dos desmobilizados que agora estão na vida civil.

“Encontramos os nossos irmãos muito satisfeitos com a vida que estão a levar no momento”.

Ossufo Momade disse estar satisfeito, igualmente, com a gestão do Município de Nampula, por isso deixou uma certeza: “não há necessidade de fazermos alteração dos nossos quadros no Município”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos