O País – A verdade como notícia

David Julius e Ardem Patapoutian distinguidos com Nobel da Medicina

Foto: Publico

David Julius e Ardem Patapoutian são os novos cientistas distinguidos com o Prémio Nobel da Medicina. O anúncio foi feito esta segunda-feira, pelo Comité Sueco. Os dois cientistas foram premiados por descobertas sobre receptores de temperatura e toque no corpo humano.

O Prémio Nobel da Medicina 2021 foi atribuído ao norte-americano David Julius e ao libanês Ardem Patapoutian, pelas descobertas dos dois cientistas que explicam como o calor, o frio e o toque podem iniciar sinais no sistema nervoso. De acordo com o Comité Sueco do Prémio Nobel da Medicina, os resultados dos dois pesquisadores são importantes para muitos processos fisiológicos e para desenvolver tratamentos para uma série de doenças e dores crónicas.

No anúncio dos vencedores, esta segunda-feira, o Comité do Prémio Nobel lembrou que a capacidade humana para sentir calor, frio e toque é essencial para a sobrevivência e está na base da interacção com o mundo circundante. “O Comité do Prémio Nobel decidiu, hoje, atribuir o Prémio Nobel 2021 de Fisiologia ou Medicina conjuntamente a David Julius e Ardem Patapoutian, pelas suas descobertas sobre receptores toque”, afirmou Thomas Perlmann.

O Prémio Nobel da Medicina é uma distinção que é entregue anualmente a quem mais tenha contribuído para o desenvolvimento da medicina. Este ano, os dois vencedores irão dividir 10 milhões de coroas suecas, cerca de 70 milhões de meticais.

Até aqui, já foram distinguidos com o Prémio Nobel da Medicina 222 pessoas, entre as quais 12 mulheres.

David Julius tem 65 anos de idade e é professor da Universidade das Califórnia. O cientista usou a capsaicina, um componente activo da pimenta que as torna picantes induzindo uma sensação de ardor, para identificar um sensor nas terminações nervosas da pele que responde ao calor.

Ardem Patapoutian tem 64 anos de idade e nasceu em Beirute, no Líbano. É cientista no instituto Scripps Research, em La Jolla, na Califórnia. Usou células sensíveis à pressão para descobrir uma nova classe de sensores que respondem a estímulos mecânicos na pele e nos órgãos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos