O País – A verdade como notícia

Criminalidade continua a preocupar moradores de 3 de Fevereiro

Foto: O país

No bairro que carrega a data dos heróis em Maputo, moradores aproveitaram a efeméride para partilhar as suas preocupações. Falam de degradação das ruas devido às chuvas e criminalidade que, muitas vezes, envolve moradores. Conheça a história do bairro de heróis.

Algures na Cidade de Maputo, concretamente no distrito Municipal Kamavota, encontramos um bairro, cujo nome obriga-nos a revisitar a história, para conhecer a sua origem: chama-se 3 de Fevereiro, a mesma data dos heróis moçambicanos.

A nossa equipa visitou o extenso bairro e travou conversa com muitos moradores que, eufóricos pela passagem de mais uma efeméride de heróis, aceitaram partilhar algumas das tantas histórias que carregam desde quando, naquele local, colocaram a primeira pedra, estaca ou caniço, pois foi assim que tudo começou.

Os mais antigos no bairro contam que foi por volta dos anos 90 que a edilidade de Maputo, por considerar o bairro de Laulane bastante extenso e difícil de gerir, decidiu dividi-lo em duas partes, passando a ter separação dos bairros Laulane e Mahotas.

O nome daquele bairro é fruto do reconhecimento da força indescritível dos homens e mulheres que lutaram pela independência do país.

Quem passa pelo bairro admira as largas ruas, que são uma característica comum, inclusive em bairros vizinhos como Mahotas, Laulane, Albazine e outros.

Trata-se de um bairro parcelado e com uma organização que permitiu que a largura das ruas fosse destaque. Mas anos depois, os efeitos da chuva tiram o brilho, lamenta Jeremias Fondo, morador do bairro desde 1991.

“Estou aqui desde que vim para Maputo. As coisas tendem a melhorar. Há casas de alvenaria por todo lado, diferente do que acontecia há uns 10 anos. O que nos deixa preocupados é o estado em que ficam as ruas. Não conseguimos circular com as nossas viaturas. Mesmo a pé, é preciso galgar muros e passeios alheios”, contou a fonte.

Este cenário verifica-se em muitas ruas. Água estagnada, crateras e deformações, transformação de alguma tentativa de travar a fúria da chuva em nada.

No entanto, apesar destes infortúnios, desde 1993, ano em que o bairro surgiu, há mudanças claras e visíveis para todos e dona Hermínia é disso testemunha.

“Não posso negar que as coisas melhoraram muito neste bairro, apesar de serem mudanças lentas. Aqui antigamente as nossas casas eram de caniço, madeira e zinco, eram poucas as pessoas que tinham muro de blocos, mas hoje as condições são muito melhores”, contou Hermínia Francisco, moradora do bairro desde 1996.

Estas mudanças foram influenciadas também pelo nome que carrega, pois no seu interior foi implantado um outro bairro, ou seja, há um bairro no interior do bairro 3 de Fevereiro. É o bairro da Polícia. As obras iniciaram em 1983 e foram até 1997, ano de inauguração Um quarteirão de 250 casas iguais, construídas pelo Ministério do Interior e oferecidas a agentes da Polícia da República de Moçambique, muito antes de se chamar Bairro 3 de Fevereiro.

Elina Naine, Secretária do Bairro 3 de Fevereiro, conta que a construção do bairro policial foi para acolher polícias e seus familiares. O bairro sempre foi ordeiro.

“Aqui sempre foi reserva do Estado, mas com o passar do tempo o Governo foi aliviando algumas áreas e, a Dalo Construções foi responsável pela construção das 250 casas daquele pequeno bairro. As casas pertencem ao Estado”.

A estrutura inicial destas casas era esta, mas, com o passar do tempo, houve quem quis melhorar, aumentando os compartimentos, trocando a pintura, mas a história permanece lá, com alguns traços da anterior estrutura, principalmente o tecto de Lusalite, que é uma marca.

Embora casas entregues a agentes da Polícia, a criminalidade sempre foi preocupação, até porque, a agravar, os violões são filhos do próprio bairro.

Alguns munícipes contaram à nossa equipa de reportagem que a criminalidade tende a subir. O desemprego e a falta de oportunidades dos filhos dos antigos Polícias, alguns já perecidos, as fileiras da Polícia têm sido causa do desvio de muitos órfãos.

O bairro 3 de Fevereiro é um dos mais extensos do distrito Municipal Kamavota. Está entre os bairros Laulane e Mahotas e conta com 63 quarteirões.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos