O País – A verdade como notícia

COVID-19: vendedores ignoram uso de máscaras em Quelimane

Contra todo tipo de perigo a que estão sujeitos, os comerciantes que desenvolvem a actividade no mercado central de Quelimane, pautam por incumprimento de uso de máscaras, para evitar a propagação do novo coronavírus.

No seio daquele grupo social, muitos preferem pegar nas máscaras e colocar no bolso, fazendo seu uso mediante a pressão das autoridades e não só.

Na manhã deste sábado, a nossa reportagem escalou aquele mercado, por sinal o principal da cidade que se dedica fundamentalmente a comercialização de produtos da primeira necessidade. A situação é deveras lamentável a avaliar pelo nível de ignorância, no que o cumprimento das medidas impostas no decreto de Estado de Emergência, prorrogado para mais 30 dias pelo Chefe do Estado, Filipe Nyusi diz respeito. 

A situação vem provar a preocupação do Presidente da República, sobre incumprimento das medidas de prevenção da COVID-19 no seio de muitos moçambicanos.

Carolina Toque, é uma vendedeira de tomate, a mesma encontrava-se desprotegida e com máscara no bolso do seu avental. 

“Eu tenho consciência da doença e sei que ela mata de verdade. O que acontece comigo é que, ao usar o meu pescoço e cabeça doem, razão pela qual tiro", disse para depois garantir que vai se esforçar no cumprimento do uso da sua máscara.

Uma outra vendeira explicou que é asmática e por isso, sempre que usa a máscara, sente-se asfixiada. Em fim, na interação com a nossa reportagem, cada uma das vendeiras abordada, apresentava sempre algum argumento para justificar a não obediência do uso daquele meio de protecção sobre tudo dentro do recinto do mercado central. 

Trata-se de uma situação que pode complicar a difícil tarefa de se parar com a propagação da COVID-19 no país.

Enquanto isso, as autoridades policiais na Zambézia, desdobram-se em acções de desinfeção dos meios. Este sábado viaturas e instalações do comando provincial foram desinfectadas, medida que visa responder o combate da pandemia tal como referiu António Paulo, director da ordem.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos