O País – A verdade como notícia

COVID-19 na África do Sul: mais de 40 por cento das PME’s em dificuldades financeiras

Mais de 40 por cento das pequenas e médias empresas sul-africanas estão a ficar sem dinheiro para continuar a funcionar, devido a crise causada pelas restrições resultantes do bloqueio para prevenção da propagação do novo coronavírus, revela uma pesquisa do Serviço Oficial de Estatística da África do Sul.

A mercearia de José Tenente e sua família que funciona há mais de 30 anos em Randburg, município do noroeste da cidade sul-africana de Joanesburg é um dos exemplos. O negócio de venda e distribuição de alimentos ficou prejudicado, em parte, pelas restrições resultantes do bloqueio devido ao lockdown. Além da mercearia, Tenente fornece alimentos para restaurantes, um negócio que não tem estado a fluir porque os estabelecimentos de restauração estão fechados por decisão do governo.

“Seis caminhões agora sem entregas, grande perda de produtos que tínhamos em estoque, uma vez iniciado o bloqueio, está sendo desperdiçado”, revela José Tenente que afirma que nas últimas semanas tem sobrevivido graças a clientes fiéis que continuam a deslocar-se ao seu estabelecimento comercial para fazer compras.

“Temos muitos clientes que ainda estão a ajudar-nos, vindo para cá. Eles são clientes fiéis e dedicados, por isso somos muito gratos a eles ", afirma.

A pesquisa da Statistics South Africa, a agência oficial estatística da África do Sul, revelou que há concretamente 42% de empresas do país estão a ficar sem recursos financeiros para continuar. Mas há alguma esperança para o estabelecimento de Tenente e outros, já que o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa anunciou uma mudança do nível cinco para o nível quatro de restrições de bloqueio com efeitos a partir de hoje, 1º de maio.

Isso significa que mais as empresas poderão reabrir e uma quantidade limitada de funcionários poderá retornar aos seus postos. Ramaphosa anunciou 42 bilhões de dólares para ajudar as empresas mas até agora ter acesso aos fundos de ajuda não é fácil.

“Precisamos de departamentos como o de Pequenas Empresas para poder acelerar o tempo que leva para agências como a CIFA prestarem atenção às pequenas empresas e também responder as suas solicitações de alívio financeiro. Isso não acontece. Não faz sentido que uma empresa faça um pedido e receba uma resposta possivelmente um mês depois, quando tem desafios diários", desabafou Bonolo Ramogele, um membro do Conselho Empresarial Negro da África do Sul.
  

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos