O País – A verdade como notícia

COVID-19: Confinamento na Rússia termina hoje

A Rússia terminou hoje o confinamento que havia sido imposto para controlar a propagação do novo Coronavírus, numa altura em que reporta diariamente mais de 10 mil novos casos da COVID-19.

Os russos tem carta-branca para regressar ao trabalho já esta terça-feira. O anúncio de Vladimir Putin colocou um ponto final a seis semanas de confinamento mas apenas de forma condicional, uma vez que o Presidente russo deixou nas mãos de cada governo regional a gestão do processo e o levantamento de restrições.

O anúncio ocorreu no mesmo dia em que a Rússia registou seu recorde diário de novos casos de covid-19: 11.656 diagnósticos positivos para a doença, de segunda para terça-feira.

Com esse número, o país chegou a ultrapassar a taxa de infectados do Reino Unido e da Itália, ocupando agora o terceiro lugar na lista de países com mais doentes, com 221.344 pessoas com o novo coronavírus, atrás apenas da Espanha e dos Estados Unidos.

Ao todo, a Rússia contabilizou pouco mais de 2 mil mortes. Segundo o governo local, isso deve-se a um programa de testagem massiva adotado no país.

Ainda que a Rússia tenha sido a única nação europeia a decretar o fim da quarentena, outros países do continente começaram esta semana a aliviar suas medidas restritivas. Vladmir Putin sublinhou que a luta contra a COVID-19 era para continuar e vangloriou-se do trabalho já efetuado.

“Estas medidas extraordinárias permitiram-nos travar o avanço da epidemia e dessa forma ganhar algum tempo.

Graças a estas medidas, que foram adotadas antecipadamente, conseguimos salvar, e posso dizê-lo sem qualquer exagero, conseguimos salvar vários milhares de vidas", disse o Presidente Russo.

O número de mortes é ligeiramente superior a dois mil, mas uma reportagem da Novaya Gazeta, que comparou as mortes mensais com a média dos anos anteriores, sugere que o número real pode ser três vezes superior.

O próprio presidente da Câmara de Moscovo, Sergei Sobyanin, já tinha admitido que o número de casos na capital podia ser até três vezes superior aos números oficiais.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos