O País – A verdade como notícia

COVID-19 condiciona celebrações do Dia da Mulher Moçambicana

A Participação da mulher em várias esferas da vida tem sido notário nos últimos anos. A cada ano que passa a mulher vai quebrando barreiras vai-se firmando e conseguindo a sua independência financeira. Contudo a propagação do novo Coronavírus pode comprometer as conquistas alcançadas.

As mulheres constituem economicamente a população mais activa tanto na zona urbana como rural. Celeste Dilane faz parte das estatísticas que mostram o domínio da mulher no sector informal.

Se nos anos passados, a mesma mulher permanecia invisível relegado ao papel de dona de casa, mãe, esposa, procriadora, hoje elas estão a sair às ruas e tomando a dianteira e consciência do seu papel na sociedade. É o exemplo da taxista Jorcelea Sabino, de 42 anos.

Apesar de estar apaixonado pelo trabalho, reconhece não ser fácil ser mulher taxista. O coronavírus também está comprometer este trabalho, o número de procura por este serviço reduziu drasticamente.

Mais o 7 de Abril não é só de enfermeiras, taxistas, floristas,… é de todas mulheres que transformam as suas dificuldades em oportunidades, que lutam e vão atrás dos seus sonhos.

O isolamento social devido a prevenção do coronavírus está condicionar as festividades do dia da mulher. Nas lojas vocacionadas a venda de capulanas o movimento reduziu.

Ainda assim as mulheres, não dispensam as tradicionais capulanas que com ou sem festa serão traje principal do dia.

O 7 de Abril surgiu em 1971 em homenagem a Josina Machel, heroína pelo seu papel activo na luta pela emancipação da mulher

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos