O País – A verdade como notícia

Covid-19: AMB defende mais “medidas excepcionais” do Banco Central

A Associação Moçambicana de Bancos (AMB) diz que há espaço para outras “medidas excepcionais” do Banco Central para aliviar os impactos da Covid-19 na economia.

Face a propagação do novo Coronavírus, há cerca de duas semanas, o Conselho de Administração do Banco de Moçambique aprovou uma linha de financiamento de 500 milhões de dólares para os bancos comerciais.

Com esta medida, espera-se maior circulação de dinheiro na economia. O crédito terá a duração de nove meses.

Contactada pelo “O País”, a Associação Moçambicana de Bancos (AMB) entende que há espaço para outras “medidas excepcionais” do Banco Central para aliviar os impactos da Covid-19 na economia.

“Porque nem todos os que efectivamente precisarão de algum apoio para manter ou recuperar as suas actividades terão acesso à linha de financiamento, entendemos que ainda há espaço para outras medidas excepcionais, tanto do lado monetário como fiscal, que poderão ser tomadas conforme a evolução dos factos”, defende a AMB, numa troca de correspondência enviada à nossa redacção.

Sobre as vantagens dessa linha de crédito, a Associação Moçambicana de Bancos entende que vai reduzir o risco de liquidez do sistema bancário e garantir que os bancos continuem a apoiar a economia, através da disponibilidade de moeda estrangeira para financiar as importações de bens e serviços, sobretudo essenciais como alimentos e medicamentos, e para assegurar a concessão de crédito, que já está sendo negativamente afectada pelo impacto da Covid-19.

Mas observa: “É preciso notar que o acesso à essa linha por parte de empresas está sujeita à observância de critérios de elegibilidade que nem todas as empresas poderão reunir”.

Concluído, que neste momento, o maior risco para o sistema financeiro nacional é o declínio da actividade económica, que afectará a capacidade das empresas e particulares efectuarem o serviço de dívida dentro dos prazos, o que resultará num aumento dos níveis de crédito mal parado, com impacto negativo sobre a posição de capital e de liquidez do sistema bancário.

De salientar, que o Banco de Moçambique decidiu ainda autorizar a não constituição de provisões adicionais pelas instituições de crédito e sociedades financeiras nos casos de renegociação dos termos e condições dos empréstimos, antes do seu vencimento, para os clientes afectados pela pandemia da Covid-19, com efeitos até 31 de Dezembro de 2020.

Estas medidas reforçam as decisões anteriormente tomadas e visam disponibilizar liquidez em moeda estrangeira e em moeda nacional para apoiar as empresas e as famílias a honrarem os seus compromissos, na sequência do agravamento dos riscos decorrentes dos impactos macroeconómicos do novo Coronavírus.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos