O País – A verdade como notícia

COVID-19 força encerramento de mais de 200 empresas de serviços de empreitadas

Mais de duzentas empresas que prestam serviços de empreitadas fecharam as portas do ano passado a esta parte devido à pandemia da COVID-19. O encerramento das referidas empresas deixou desempregadas mais de 5 mil pessoas.

A propagação da COVID-19 trouxe consigo inúmeros problemas para a classe empresarial. E os empreiteiros, não ficaram à parte. O confinamento provocou restrições e reduziu a capacidade do Estado de contratar serviços para edificação e reabilitação de obras públicas. Com o Estado e o sector privado em dificuldades financeiras, muitas empresas que prestam serviços de empreitadas tiveram que encerrar as portas. “Infelizmente estamos muito mal, não há obras para fazer e há restrições porque não pode haver aglomeração de trabalhadores. Do ano passado a esta parte, mais de 200 empresas tiveram que fechar devido à crise que se registou em consequência desta doença. Lamentavelmente, mais de cinco mil pessoas perderam os seus empregos em resultado dessa situação”, descreveu Manuel Pereira, Presidente da Federação Moçambicana de Empreiteiros.

Com a estabilização da situação dos ataques terroristas em Cabo Delgado, os empreiteiros sonham com dias melhores, pois esperam, em breve, prestar serviços nos projectos de exploração de gás ora parados.

Neste tempo de pandemia, Manuel Pereira reconhece que há empreiteiros que não estão a conseguir honrar com os compromissos acordados com o Estado, mas também reparte a culpa. “É uma verdade que muitas empresas estão com grandes dificuldades e têm dificuldades de honrar com os seus compromissos e pessoalmente testemunho a existência de obras paradas. Há minoria que recebe o dinheiro e não executa as obras, mas há empresas grandes que estão a trabalhar, mas que não recebem os valores acordados pelo Governo, devido a essa crise que existe”, constatou.

O Presidente da Federação Moçambicana de Empreiteiros falava à margem da inauguração de 64 novos apartamentos da segunda fase do Projecto Zintava.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos