O País – A verdade como notícia

Corrupção lesa Estado em dois biliões de meticais

A corrupção em Moçambique continua sem freios. Em 2016, o país registou 493 casos, número que subiu para 695, em 2017. No ano seguinte, houve 761 processos, menos três em relação a 2019. Este ano, no primeiro semestre foram registados 340 casos. Feitas as contas, em quase cinco anos o Estado foi lesado em 2.674.972.380,28 de meticais, de acordo com a ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos.

Helena Kida falava durante a abertura do conselho coordenador da instituição que dirige, mas não forneceu pormenores sobre a questão da corrupção, como por exemplo pontar os sectores onde houve mais casos e os valores envolvidos.

Entretanto, a ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos disse que o sector precisa redefinir ou aprimorar a estratégia para que a Justiça seja um exemplo pelas boas práticas e transparência na gestão, ética e probidade.

Para tal, prosseguiu a governante, a inspecção da instituição deve liderar o processo em colaboração com as demais áreas similares e comissões de ética.

Num outro desenvolvimento, Helena Kida falou da celebração do Dia Internacional dos Direitos Humanos. E faltam poucos para a efeméride, em que Moçambique vai apresentar o seu relatório sobre a matéria ao Terceiro Ciclo de Avaliação do Mecanismo de Revisão Periódico Universal, ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Sobre este assunto, Helena Kida reconhece a vulnerabilidade do país a cheias, ciclones, seca, conflitos políticos e militares na zona centro, o terrorismo em Cabo Delgado e a pandemia da COVID-19 como fenómenos que concorrem para a violação de direitos humanos.

Os problemas arrolados pela ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos comprometem a implementação das recomendações do Mecanismo de Revisão Periódica Universal sobre a promoção e protecção dos direitos humanos em Moçambique, segundo as suas próprias palavras.

Helena Kida aproveitou a ocasião para prestar solidariedade às populações vítimas do terrorismo, incluindo os seus colegas que trabalham nas zonas afectadas pelo fenómeno.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos