O País – A verdade como notícia

Contrabando leva ao encerramento de sete fábricas de castanha de caju em Nampula

Foto: O Pais

Sete fábricas de processamento de castanha de caju em Nampula estão fechadas, devido ao problema de acesso à matéria-prima, causado pelos contrabandistas que compram e exportam ilegalmente a castanha bruta.

Moçambique produz, actualmente, cerca de 140 mil toneladas de castanha de caju e a província de Nampula é a que mais contribui, com 50%. Entretanto, o “monstro macua” na castanha está a ser reduzido, devido à intensa influência de comerciantes, na sua maioria, estrangeiros, que compram a castanha directamente dos produtores a um preço inflacionado e exportam de forma ilegal, deixando os processadores nacionais sem matéria-prima, apesar de a actual lei de caju preconizar que a prioridade na aquisição da matéria-prima deve ser dada às indústrias nacionais, quando é aberta a época de comercialização, que geralmente acontece nos três meses do final de cada ano.

“Neste momento, temos sete fábricas paradas e apenas nove estão a trabalhar, no total de 16 fábricas que existem. Há o problema de acesso à matéria-prima durante a campanha de comercialização. O que acontece é que há uma grande concorrência quando há comercialização. Não se obedece àquilo que está na lei, que é, primeiro, abastecer as fábricas e, depois disso, poder-se exportar a castanha bruta. A concorrência é da parte dos que vêm de fora, que são os primeiros a comprarem a castanha, inflacionam o preço e torna-se difícil os processadores poderem comprar”, denuncia Francisco Magaia, da  Associação dos Industriais de Caju.

O secretário de Estado na província de Nampula, Mety Gondola, minimizou o problema e garantiu haver estudos de soluções, lembrando, igualmente, que está em discussão a revisão da Lei de Caju que vigora há 20 anos.

“Tivemos algumas discussões profundas em relação ao acesso à matéria-prima e à lei específica e pensamos que, neste processo, iremos encontrar um balanço entre os anseios dos exportadores e aquilo que são as suas potencialidades.”

Os nossos entrevistados falavam à margem da exposição das potencialidades naturais, industriais e agrícolas, inserida na Feira Internacional de Maputo (FACIM), que, devido às limitações impostas pela pandemia da COVID-19, as províncias fazem as suas mostras localmente e, através de plataformas digitais criadas pela comissão organizadora do evento, difundem pelo mundo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos