O País – A verdade como notícia

Continua combate ao corte ilegal de madeira no Parque Nacional de Zinave

Os rangers dedicados no Parque Nacional de Zinave, que é co-gerido pela Administração Nacional das Áreas de Conservação e Fundação dos Parques da Paz (Peace Parks Fundation), têm impedido, com sucesso, as operações de sofisticados sindicatos de exploração de madeira ilegal, que pretendem explorar os recursos naturais do Parque para obter lucros comerciais.

Segundo a ANAC, os guardas florestais realizaram duas missões desafiantes em semanas consecutivas, cobrindo muitos quilómetros sobre o terreno acidentado de Zinave, o que levou à descoberta e apreensão de uma variedade de equipamento considerado crucial para as actividades destrutivas, levadas a cabo pelos madeireiros.

Na primeira operação, os guardas-florestais estavam numa missão de reconhecimento que avançou para uma perseguição 24 horas por dia, através do grosso mato na perseguição dos madeireiros.

A Peace Parks Fundation refere, no seu site, que os guardas-florestais actuaram com base em informações sobre uma nova estrada, que tinha sido aberta pela actividade de veículos na fronteira ocidental. Nesta perseguição, foram encontrados novos rastos de tractores que se dirigiam para o parque.

Os informantes devem ter dito ao condutor de tractores que estava a ser seguido, porque, passado algum tempo, os carris deixaram a estrada e foram directamente para a mata densa.

O que se seguiu foi um jogo intenso de gato e rato, pois os guardas-florestais passaram as restantes seis horas de um dia muito quente, seguindo os carris através do terreno acidentado de Zinave.

O maquinista do tractor tentou a todo custo despistar os fiscais, mas com uma equipa muito motivada e dedicada, os patrulheiros continuaram a seguir as pistas pela noite dentro.

O trabalho árduo acabou por compensar quando o tractor foi encontrado abandonado, parado num pequeno acampamento, com rastos de motociclos que foram usados para fugir do local.

Na semana seguinte, outra operação resultou na apreensão de um segundo tractor, uma serra eléctrica e vários outros materiais, e na destruição de outro campo utilizado por madeireiros ilegais.

Nessa operação, o condutor foi detido, e acredita-se que os chamados “sindicatos de exploração ilegal” sofreram um duro golpe.

A semana passada foi de azar para os furtivos, mas foi de sorte para os rangers de Zinave, que interromperam o carregamento de um camião, que teria saído da reserva com uma carga completa de troncos.

Segundo a lei moçambicana, os proprietários podem recuperar os veículos apreendidos num período de 15 dias, com o pagamento de uma multa pesada que se agrava com transgressões adicionais.

No caso do camião apreendido com troncos, foram pagas duas multas ao Parque Nacional Zinave, num total de MZN 379.780,00.

Esta não é a primeira apreensão em Zinave e muitos veículos e outros equipamentos apreendidos ao longo dos anos não foram reclamados e foram removidos permanentemente dos sindicatos dos furtivos.

A apreensão de tractores dificulta significativamente as operações de abate ilegal de árvores.

Desde 2017, a Peace Parks, que tem um acordo de co-gestão de 20 anos para Zinave com o Governo de Moçambique, elevou significativamente as operações de combate à caça furtiva no parque. Com pacotes de formação e emprego de 25 novos guardas florestais das comunidades locais; melhoria das estratégias de luta contra a caça furtiva; criação de uma sala central de controlo de operações com sistema de comunicações digitais; aquisição de veículos, camiões e motociclos; e aquisição de um avião para apoiar a vigilância aérea e a gestão da conservação.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos