O País – A verdade como notícia

Conhecida em Setembro sentença dos réus implicados com a Junta Militar da Renamo

Os seis arguidos acusados de conspiração contra a segurança do Estado, por supostamente estarem envolvidos com a Junta Militar da Renamo, conhecerão o veredicto do Tribunal Judicial do Distrito do Dondo no dia 08 de Setembro próximo, conforme a decisão esta sexta-feira.

O julgamento decorre desde Junho passado. Domingos Marrime, um dos co-arguidos, vai aguardar a leitura da sentença em liberdade condicional.

Tal como nas cinco sessões anteriores, o Tribunal Judicial do Distrito do Dondo permitiu o acesso de jornalistas à sala da audição e foram captadas as primeiras imagens do julgamento. Minutos depois, o juiz ordenou a retirada dos órgãos de informação, alegando que o momento a seguir – audição de peritos da Direcção Nacional do SERNIC – era muito sensível.

Passadas cerca de três horas e meia, a sessão foi reaberta para os jornalistas, para acompanharem as alegacões finais.

O Ministério Público manteve as acusações que pesam sobre os cinco, dos seis co-arguidos: conspiração contra a segurança do Estado por pretensamente terem recrutado jovens para as fileiras da auto-proclamada Junta Militar da Renamo, liderada por Mariano Nhongo, e financiamento da mesma.

Em relação ao sexto co-réu, Domingos Marrime, o Ministério Público retirou as acusações por não se ter provado o seu envolvimento no crime de conspiração.

O advogado de Sandura Ambrósio, Manuel Capassura, não estava satisfeito com a manutenção das acusações do Ministério Público e socorreu-se de uma das conversas telefónicas entre os co-arguidos, ouvidas nesta sexta-feira no tribunal, na presença do perito do SERNIC.

Segundo ele, “em nenhum momento foi mencionado o nome de Sandura Ambrósio nas conversas entre os arguidos”.

No fim, o juiz ordenou para que Domingos Marrime aguardasse a leitura da sentença em liberdade condicional sob termo de identidade de residência, de acordo com o pedido da sua advogada. Os restantes réus deverão permanecer em prisão preventiva.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos