O País – A verdade como notícia

Companhias petrolíferas e de gás em África com mais oportunidades este ano

Em 2021, a indústria do petróleo e do gás enfrentou um ano difícil. De acordo com The State of African Energy 2022, isto foi o resultado de uma queda na procura global, que resultou numa redução dos preços do petróleo, levando empresas a cortarem orçamentos e a atrasarem projectos futuros.

O acentuado abrandamento em várias economias africanas exacerbou ainda mais o desafio e, embora se assista a uma recuperação da actividade económica, a África ainda está atrasada nesta dinâmica renovada de crescimento.

Segundo Ahmed Djidda, da Aggreko África, enquanto o sector do petróleo e gás no continente enfrentar vários desafios, um dos maiores desafios é o acesso ao financiamento.

“O sector do petróleo e do gás em África tem sido historicamente financiado com financiamento externo”, diz Djidda, acrescentando que dado o desafio provocado pela pandemia e pelo colapso da economia mundial, o financiamento não fluiu.

“Este financiamento é crucial para manter a produção e estas empresas a funcionar”, referiu.

Outro desafio que o sector enfrenta é o da transparência legislativa e regulamentar.

“De certa forma, isto está ligado ao financiamento, particularmente quando se trata de impostos e outros regulamentos. Se olharmos para o Egipto, por exemplo, a legislação fiscal é transparente e simples, tornando mais fácil atrair investimento estrangeiro, porque os investidores sabem o que esperar. No entanto, não é esse o caso em muitos países africanos”, diz Djidda.

“Portanto, muito trabalho tem de ser feito pelos diferentes países do continente para simplificar e clarificar as suas expectativas em termos de impostos e regulamentos, e em torno do ambiente”.

Ansioso por um ano promissor

O ano 2022 é susceptível, conforme Djidda, de assistir a uma recuperação da actividade e a uma aceleração dos passos para cumprir os compromissos de redução das emissões no continente.

“Estamos a assistir a um interesse crescente das empresas petrolíferas e de gás por soluções híbridas e de armazenamento de energia, bem como a um aumento do ritmo de transformação no sentido de uma verdadeira digitalização das suas operações. E, é claro, esperamos que o investimento no sector recupere em 2022, para trazer a produção de volta aos níveis pré-pandémicos, com projectos suspensos durante 2020 e 2021 voltando agora a fazer parte do oleoduto”.

Para muitas empresas do sector do petróleo e gás, um dos maiores obstáculos reside em encontrar financiamento para embarcar em projectos de grande escala.

“Na Aggreko desempenhamos um papel fundamental na parceria com os nossos clientes em projectos de soluções energéticas em larga escala e a longo prazo”, conclui.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos