O País – A verdade como notícia

Comissão Ad Hoc da AEMO repudia comunicado do secretariado

A Comissão Ad Hoc da AEMO repudia e distancia-se do comunicado de imprensa divulgado pelo secretariado da AEMO, referente à transparência do processo eleitoral e à admissão dos novos membros da agremiação.

Há uma semana, a Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO) enviou à imprensa um comunicado assinado pelo Secretário-Geral da agremiação a 22 deste mês de Março. O documento dizia que houve uma reunião a 9 de Março, envolvendo a Comissão de Verificação (Ad Hoc) constituída em Assembleia-Geral e a Comissão Eleitoral, tendo, por um lado, estas concluído não haver quaisquer indícios tendentes à viciação do processo eleitoral na AEMO.

Por outro lado, o comunicado de 22 de Março dizia ainda que se constatou, por lapso de digitalização, uma repetição de certos nomes, em número de cinco, juntando-se a este erro simples de preenchimento das fichas de candidatura, por parte de alguns dos 35 escritores candidatos à categoria de membro efectivo da AEMO. Quer isto dizer que a lista de 40 novos membros apresentada no dia da eleição, 5 de Março, tinha cinco nomes a mais.

Em virtude do que ficou acordado nos encontros mantidos para se encontrar soluções que viabilizem o processo eleitoral, Carlos Paradona, candidato à sua própria sucessão, disse, semana passada, que estavam ultrapassadas as questões que dividiam as duas listas candidatas ao cargo de Secretário-Geral.

Acontece que, nesse mesmo dia, Lucílio Manjate, outro candidato a Secretário-Geral da AEMO, contradisse a nota assinada pelo actual secretariado. O escritor Lucílio Manjate apenas reconheceu que no encontro do dia 9 de Março definiu-se uma nova data para as eleições, 2 de Abril. Quanto ao resto, distanciou-se, dizendo o seguinte: “Em primeiro lugar, penso que, a fazer-se um comunicado de imprensa, este deve ser emitido pela Comissão Ad Hoc criada para a verificação do processo de adesão dos 40 novos supostos membros. Tanto é que a mesma Comissão ainda está a trabalhar. Fico espantado com um Comunicado emitido pelo actual Secretariado pois, ao ignorarem a Comissão Ad Hoc, emitindo um comunicado unilateralmente e faltando grosseiramente à verdade, mancham todo o trabalho já realizado pela mesma Comissão e coloca em causa a continuidade dos trabalhos, cuja retomada foi marcada para o dia 2 de Abril”.

Ora, esta quarta-feira, foi a vez da Comissão Ad Hoc intervir. Igualmente através de uma nota de imprensa, a Comissão Ad Hoc, no documento assinado pelo poeta Armando Artur e pelo professor universitário Gilberto Matusse, reagiu ao comunicado de imprensa de 22 de Março nos seguintes termos: “Repudiamos e distanciamo-nos do posicionamento apresentado no comunicado, porquanto não ​reflecte os pontos de consenso alcançados ao longo das reuniões, incluindo a que foi realizada com os dois candidatos a Secretário-Geral, conforme atestam as actas dos trabalhos”.

Esta quarta-feira, reagindo à nota de imprensa da Comissão Ad Hoc, o Secretário-Geral da AEMO em exercício, Carlos Paradona, respondeu que o secretariado da AEMO está livre de emitir qualquer comunicado que entender e que o comunicado emitido a 22 de Março vai de acordo com o que está registado em acta que a própria Comissão Ad Hoc assinou. “Outra coisa, eles deviam repudiar aspectos concretos do comunicado. Isso eles não dizem, o que revela enfermidade mental. O comunicado está em conformidade com a acta da reunião da Comissão de Verificação. Mas é estranho que a nota de imprensa deles esteja assinada apenas por duas pessoas, e os outros três membros?”.

Os outros membros da Comissão Ad Hoc, além de Armando Artur e Gilberto Matusse, são Manuela Xavier, Isabel Manjate e Custódio Duma.

O QUE DIZ A SEGUNDA ACTA SOBRE A REUNIÃO DA COMISSÃO AD HOC? 

No dia dezassete de Março de dois mil e vinte e dois, pelas dezasseis horas, teve início na Sala de Reuniões da AEMO a segunda reunião da Comissão Ad Hoc composta por Filimone Meigos (Presidente da Mesa da Assembleia da AEMO), Armando Artur, Manuela Xavier, Gilberto Matusse e Custódio Duma, tendo como pontos de agenda:

  1. Apresentação e aprovação do Relatório da Comissão Eleitoral sobre a situação dos

Candidatos a Membros da AEMO;

  1. Coordenação com as duas Cabeças-de-listas para a marcação da nova data da continuidade da Assembleia Eleitoral.

Quanto ao primeiro ponto da agenda, a Comissão Eleitoral apresentou o seu relatório por escrito, tendo concluído que da lista dos trinta e cinco candidatos, somente três reuniam condições para a sua admissão e posterior capacidade eleitoral. O restante dos candidatos devem regularizar a sua situação antes da Assembleia Eleitoral. Ficou ciente e aprovado.

Quanto ao segundo ponto da agenda, tendo sidos chamados a sala os Candidato Carlos Paradona e Lucílio Manjate, foi-lhes apresentado o relatório da Comissão Eleitoral, com que concordaram e decidiu se o seguinte:

  1. a) Fica marcada a continuidade da Assembleia Eleitoral para o dia dois de Abril, podendo desde já o Presidente da Mesa da Assembleia convocá-la para esse dia pelas 9 horas com único ponto de Agenda: a eleição dos órgãos sociais da AEMO;
  2. b) Cada lista concorrente pode indicar um membro observador junto a Comissão Eleitoral, e apresentá-lo ao Secretariado da AEMO até ao dia 25 de Março;
  3. c) O Secretariado da AEMO deve convidar os candidatos a membros da Associação com irregularidades para saná-las até ao dia 25 de Março;
  4. d) A partir do dia 28 de Março a Comissão Eleitoral deve trabalhar a lista final de eleitores;
  5. e) A Comissão Eleitoral deve mandar publicar a lista final dos eleitores até ao dia 30 de  Março”.

O documento foi assinado pelo Presidente da Mesa da Assembleia da AEMO, Filimone Meigos, e por Custódio Duma, da Comissão Ad Hoc, no dia 17 de Março.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos