O País – A verdade como notícia

COM defende criação de centros de treinamento de excelência

O presidente do Comité Olímpico de Moçambique (COM), Aníbal Aurélio Manave, reconhece que a preparação dos atletas moçambicanos aos Jogos Olímpicos não foi a mais desejada, até porque havia necessidade de ser complementada com estágios fora do país.

Manave justifica que a não realização de estágios, tal como programado, ficou a dever-se a não abertura de certos países para receber atletas estrangeiros por conta da COVID-19.

“Este ano, tivemos um agravante por não termos conseguido colocá-las em estágio. Como sabe, o mundo estava muito fechado. As pessoas não quiseram receber atletas de outros países para estagiar. Por causa da COVID-19, não tivemos esta possibilidade, pois ninguém queria ficar infectado. Mas, o desporto é assim mesmo. Nós temos que superar todas as adversidades”, explicou Manave.

Igor Mogne foi o primeiro atleta moçambicano a entrar em cena nas olimpíadas de verão, tendo falhado o apuramento às meias-finais, assim como a melhoria do tempo com o qual partiu para esta competição: 3:54,90 minutos, registado no Mundial da Coreia do Sul.

Nada que o Comité Olímpico de Moçambique não estivesse à espera. “O desempenho não é satisfatório, não porque não atingimos a final, mas porque o atleta não superou a si próprio. Não melhorou as suas marcas. Como sabe, esta é uma daquelas modalidades a que não qualificou. Não teve os critérios para participar, como o de universalidade. Portanto, estava claro que muito dificilmente chegaria às meias-finais”, notou.

De resto, aponta o COM, a melhoria dos tempos é sempre algo a ter em conta quando se fala da participação dos atletas em eventos internacionais: “aquilo que nós esperávamos do atleta e de todos é que superem a si próprios. Batam os seus recordes nacionais e, sobretudo, consigam passar para etapa seguinte”.

O Comité Olímpico de Moçambique está, no entanto, ciente que, sem um centro de excelência em treinamento, à semelhança do que acontece em várias partes do mundo, dificilmente os atletas moçambicanos poderão atingir outros patamares.

“Teremos mesmo que ultrapassar esta situação. Aliás, estamos aqui e já há muitos contactos. Estamos a trabalhar para a criação de um centro de rendimento”, assegurou. E acrescentou: “já estamos a dar mais apoio àqueles que poderão atingir medalhas. É neste sentido que estamos a trabalhar e vamos continuar a apostar na melhoria das condições dos atletas. Estamos em contacto com os colegas. Estamos em contacto com as federações internacionais.”

Aliás, explicou Manave: “há coisas que nós temos, de facto, que ultrapassar. Eu acredito que, com melhores condições de treinamento no país, podemos dar o salto de que precisamos no desporto de alta competição. Nós, como país, ainda carecemos de condições de treinamento”.

Isto passa, segundo Manave, por “classificar mais atletas” assim como “definirmos e darmos apoio para poderem atingir as medalhas. É para isto que nós temos que trabalhar e vamos trabalhar para que as coisas não continuem como estão. Há bases que estão criadas”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos