O País – A verdade como notícia

CNE diz que não foi responsável pela reprovação de algumas candidaturas

A Comissão Nacional de Eleições diz que não foi responsável pela reprovação de algumas candidaturas e muito menos pela derrota de partidos políticos, nas últimas eleições autárquicas.

Abdul Carimo acrescentou que a revisão pontual da Constituição pode ter contribuído para a criação de clima de desconfiança pelos órgãos que gerem as eleições.

Três meses depois da realização das eleições autárquicas que deram vitória ao partido Frelimo em 44 municípios, académicos, jornalistas e observadores eleitorais estiveram reunidos esta terça-feira, em Maputo, na Conferência sobre Processos Democráticos em Moçambique para tirar ilações do escrutínio de 10 de Outubro do ano passado e desafios para as gerais.

No calor do aprendizado que se pode tirar da última votação, Abdul Carimo aproveitou para responder a todas críticas que lhe foram lançadas por alguns partidos pela forma como conduziu o processo.

Em clara resposta à rejeição da candidatura da Samora Machel Júnior, o presidente da CNE recordou que todos os partidos políticos e coligações de partidos políticos receberam instruções de concorrer, mas não seguiram, o que resultou na rejeição da sua candidatura.

Outro aspecto que, segundo Carimo, pode ter contribuído para a agitação de alguns concorrentes logo depois do escrutínio foi a revisão pontual da Constituição da República já nas vésperas das eleições.

Num outro desenvolvimento, o presidente da CNE argumenta que o problema da interpretação da lei arrastou até ao período da votação altura em que os partidos políticos não sabiam onde direcionar as suas reclamações.

Já no processo de votação e apuramento, exaltaram-se os ânimos dos membros e simpatizantes dos partidos políticos nas mesas, o que poderá ter contribuído para manchar as eleições autárquicas de Outubro.

Para evitar que situações do género se repitam nas eleições gerais deste ano, Abdul Carimo revelou a CNE tem realizados encontros com vários actores para repensarem numa forma pacífica de realizar o escrutínio deste ano.

Abdul Carimo disse, ainda, que já está em curso a preparação das eleições gerais deste ano e que será feito um recenseamento de raiz nos distritos sem autarquia e actualização aos que já possuem o estatuto de autarquia.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos