O País – A verdade como notícia

CNE adia início do recenseamento eleitoral devido à tragédia no centro do país

Os órgãos eleitorais propõem o adiamento do início do recenseamento eleitoral que havia sido marcado para 01 de Abril. A Comissão Nacional de Eleições (CNE) justifica o adiamento com a falta de “condições objectivas” nas áreas afectadas pelo ciclone IDAI e pelas cheias no centro do país. Além da proposta de adiamento, a CNE submeteu ao governo três cenários para o processo eleitoral. “Não posso divulgar o conteúdo de cada cenário que propomos porque cabe ao governo analisar e tomar a decisão”, disse o porta-voz da CNE. Ainda assim, Paulo Cuinica deixou claro que em nenhum dos cenários a CNE propõe o adiamento das eleições para o próximo ano. “Isso posso vos garantir, teremos eleições neste ano. E de princípio no dia 15 de Outubro”.

A CNE não avança a proposta da nova data para o início do recenseamento eleitoral. “Tudo depende das condições no terreno. Estamos a interagir com o INGC para acompanhar a evolução da situação no terreno”. Com as escolas destruídas e aquelas que escaparam transformadas em centros de acomodação das vítimas do ciclone e das cheias, os órgãos eleitorais teriam de improvisar tendas para as brigadas de recenseamento. Uma operação que representaria custos a mais para um processo eleitoral que já tem um défice orçamental de cerca de 50 por cento. Ainda que houvesse dinheiro para tal, o adiamento seria inevitável: “não seria moralmente correcto fazer campanha de educação cívica (actividade que antecede ao registo de eleitores) nas zonas afectadas, porque as famílias ainda estão enlutadas”.

A proposta do adiamento do início do recenseamento eleitoral já foi comunicado aos partidos políticos.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos